terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Editora Betel - Lição 1 - O livro de Levítico.

Aula para o dia 7 de janeiro de 2018

Texto Áureo
“E chamou o Senhor a Moisés e falou com ele da tenda da congregação, dizendo.”

Verdade Aplicada
O Senhor Deus quer o homem próximo de si e assim estabelecer o cerimonial levítico para que Ele possa estar na tenda da congregação.

Objetivos da Lição

Mostrar que a lei estabelece condições para o homem ter comunhão com Deus;
Ensinar que a lei contém instruções para todas as áreas da vida humana;
Demonstrar que nada pode impedir os propósitos de Deus.

Glossário
Nítido: Claro, compreensível;
Súdito: Indivíduo que se submete à vontade de outrem, devendo-lhe obediência e respeito;
Rito: conjunto das cerimônias e regras a serem observadas na prática de qualquer religião, seita, etc.; liturgia.

Leituras complementares
Segunda Rm 7.12
Terça Rm 7.14
Quarta Rm 7.25
Quinta Cl 3.20-22
Sexta Hb 9.22
Sábado Hb 10.1-3

Textos de Referência.
Romanos 7.7-8, 10-12
7 Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum; mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás.
8 Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, obrou em mim toda a concupiscência: porquanto, sem a lei, estava morto o pecado.

10 E o mandamento que era para vida, achei eu que me era para morte.
11 Porque o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, me enganou e, por ele, me matou.
12 E Assim, a lei é santa; e o mandamento, santo, justo e bom.

Hinos sugeridos.
6, 47, 196

Motivo de Oração
Ore para que a santificação seja um alvo sempre constante da Igreja do Senhor.

Esboço da Lição
Introdução
1. Levítico: manual da santidade.
2. A lei de Deus.
3. Objetivos da lei.
Conclusão

Introdução
No livro de Levítico vemos que Deus quer conviver com o homem e que por essa razão provê meios para tal intento. Um dos alvos da lei é revelar as condições para a comunhão do homem com Deus.

1. Levítico manual de santidade.
Levítico é o terceiro livro de Moisés e faz parte do Pentateuco, “os cinco rolos”. A palavra “Pentateuco” vem de uma combinação da palavra grega “penta”, que significa “cinco”, e “teuchos” que pode ser traduzida como “pergaminhos”. O livro apresenta basicamente um manual de leis e preceitos para a nação de Israel, para que a mesma viesse a ser um modelo de nação a ser seguido pelas demais nações.

1.1. O livro da lei de Deus.
Levítico nos apresenta as leis do Senhor e como o culto a deus deveria ser oferecido. Também ensina como os, sacerdotes deveriam ordenar esse culto, para que Deus fosse glorificado através das ofertas e sacrifícios, e as bênçãos viessem sobre o povo. Mostra como os sacerdotes deveriam cuidar da casa de Deus e também de como andar diante de Deus em sua casa. É um livro de valores espirituais, repletos de ensinamentos para os nossos dias e deve ser visto como um livro de estudo, a ser estudado em oração e meditação para um maior aproveitamento, e não um livro para ser lido de maneira rápida e superficial. O livro mostra como Deus deseja ter relacionamento com o Seu povo.

No livro de Levítico encontramos as instruções divinas sobre a forma do culto e o comportamento dos sacerdotes através das normas e preceitos, ritos e ofertas. Assim também, no Novo Testamento, o Espírito Santo, através dos apóstolos, estabelece como o culto deve ser oferecido a Deus e o comportamento dos que se aproximam dEle para cultuá-Lo (1Co 14.26). Se o culto é para Deus, Ele tem o direito de exigir como deve ser realizado.

1.2. O livro onde Deus fala na tenda.
Aprendemos lendo os primeiros livros da Bíblia, como Deus vem em direção ao homem, pois, por causa do pecado, é impossível por si mesmo o homem ir em direção a Deus. Em Gênesis, logo após a queda do homem, Deus vai ao seu encontro e o veste. No livro de Êxodo, Deus fala com o homem no monte Sinai (Êx 24.1-2) e no primeiro capítulo do livro de Levítico, Deus chama Moisés para falar com ele na tenda da congregação (Lv 1.1). É Deus descendo em busca do homem, um princípio exposto em toda as Escrituras.

Deus se aproxima do Seu povo para estabelecer o sistema de adoração. O termo “Levítico” é oriundo da versão grega Septuaginta. Nos escritos judaicos é designado pelo nome da primeira palavra: “Wayyiqra”, que significa “Ele chamou”. Deus chamou a Moisés para falar com ele e hoje continua a chamar o homem para com ele se comunicar. O Deus a quem servimos se comunica conosco de muitas maneiras, mas a principal é através da Sua maravilhosa Palavra (Rm 7.7).

1.3. O livro em que a vontade de Deus é revelada.

A vontade de Deus é a santificação do homem e este ensino encontra-se de modo bem nítido no livro de Levítico (Lv 20.7). Santificação é uma ordem imperativa e não uma opção de vida. Deus exige santidade e Sua vontade nos é revelada não apenas no livro de Levítico, mas em toda a Escritura Sagrada. A vontade de Deus deve ter para nós a mesma importância que teve para Jesus quando se expressou para os Seus discípulos durante o Seu ministério (Jo 4.34).

A Bíblia é perfeita e seus ensinos são bem explícitos: a santificação é vontade de Deus para o homem. Essa é uma doutrina fundamental da Palavra de Deus e a encontramos de modo bem claro nos ensinos apostólicos (1Ts 4.3; 5.23; Hb 12.14; 1Pe 1.16); um assunto vasto em todo o Novo Testamento.

2. A lei de Deus.
Lei é um princípio, um preceito, uma norma, criada para estabelecer as regras que devem ser seguidas, é um ordenamento. Do latim “lex”, que significa “lei” – uma obrigação imposta. Desse modo, Deus nos deu a Sua lei para que viéssemos a cumpri-la e assim alcançássemos os objetivos por ela determinados. Essa lei é perfeita, como nos afirma a Sua Palavra (Rm 7.12).

2.1. A lei moral.
A lei moral é a expressão da natureza e vontade divina para o homem, estabelecendo absoluta conformidade com a Sua santidade, como condição normal para o homem. O homem a cumpre somente se o seu ser moral bem como o racional não estiverem influenciados pelo pecado. A  lei moral de Deus está além dos argumentos humanos e deve ser obedecida. Essa lei não está  sujeita a costumes de uma sociedade, mas, como lei que procede de um Ser moralmente perfeito, que é Deus, é para ser aceita pelo homem.

O homem foi criado sem pecado, mas após a queda tornou-se um ser moralmente imperfeito. Portanto, é impossível para o mesmo o cumprimento da lei. O homem no seu estado de ignorância espiritual pensa ter a capacidade de poder se justificar diante de Deus pelas obras da lei, mas, com a revelação da verdade da Palavra de Deus, o homem tem o conhecimento de que a salvação só pode ser obtida através da graça, por intermédio de Jesus Cristo (Jo 1.17). Só Ele foi capaz de cumprir a lei (Mt 5.17), e de agradar ao Pai (Jo 8.29). Assim, agora Deus oferece ao homem a salvação, não como uma recompensa pelas boas obras, mas como um dom divino por meio da fé em Jesus Cristo.

2.2. A lei civil.
A lei moral é a expressão da vontade de Deus. Para poder aplicar a lei aos Seus súditos na vida cotidiana, foi acrescentada a lei civil, que estabelece penalidades e instruções para a sua execução. Encontramos essas leis no livro do Êxodo (Êx 21.23). Elas tratam especialmente da proteção da vida humana e da propriedade. A lei civil era para regular o relacionamento com o próximo e a proteção dos bens. Aprendemos assim sobre a grandeza de Deus, que, sendo o Todo-Poderoso, se preocupa em orientar Sua criação, desde a morte de um boi ao vestuário do homem (Êx 22.10-11; Êx 22.26).

A lei foi dada ao povo de Israel para a situação social em que vivia. Ela não exigia que houvesse escravidão, mas, visto que existia, as leis regulamentares regeriam a manutenção das relações certas. Os princípios éticos da lei podem ser aplicados a qualquer tipo de sociedade. A lei não tem a capacidade de mudar a natureza humana, mas pode proteger a vida e a propriedade ao ditar as regras corretas de como o homem deve proceder para com o seu próximo. Mesmo  sendo uma lei para o justo relacionamento entre a nação de Israel, temos em Êxodo 21.2-6 um texto que se cumpre na pessoa de Jesus Cristo, quando voluntariamente se oferece como servo (Fp 2.7).

2.3. A lei cerimonial.
A lei cerimonial é um conjunto de normas necessárias para a realização do culto judaico, que consistia de ofertas e sacrifícios, apresentados por um sacerdote, que serviam como base de adoração. Uma lei que dizia especificamente a adoração por parte de Israel ao Senhor (Lv 1.2). A Igreja não precisa se preocupar com os detalhes dos sacrifícios, mas, sim, entender o sentido e como eles apontam para a pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo, como foi cumprido nEle depois da Sua morte e ressurreição. Essas ordenanças dadas por Deus a Israel eram necessárias para a Sua presença no arraial do povo israelita. A igreja não está sujeita ao cumprimento desse ritual, pois a lei é sombra das coisas futuras (Hb 10.1).

Todo o sistema cerimonial teve a sua utilidade e foi necessário à nação de Israel para que pudesse prestar o seu culto em adoração a Deus, mas, com a vinda de Jesus, a Igreja hoje apresenta a Deus um culto não com aparência externa, mas um culto com expressão que brota de um interior em completo quebrantamento e contriçao, pois é o culto que agrada a Deus. Para que isso viesse a acontecer, Deus enviou o Seu Espírito para habitar e estar na Igreja (Jo 14.17). Todo o rito cerimonial era para que o culto tivesse a presença de Deus no arraial. Hoje a Igreja apresenta um culto a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.23).

3. Objetivos da lei.
Se o homem não tivesse recebido a lei de Deus, certamente teria um conceito errado acerca do pecado e também de si mesmo (Rm 7.7). Também descansaria sobre os seus próprios pensamentos, nos seus sentimentos, ou na própria experiência, a respeito do que é certo ou do que é errado, de como agradar e servir a Deus.

3.1. Trazer Deus para o meio do povo.
Agora Deus pode falar com Moisés da tenda (Lv 1.1), pois o chama para lhe dar as ordenanças e ritos que os sacerdotes teriam de cumprir com relação a si mesmos e também com relação as ofertas e os sacrifícios que seriam trazidos pelo povo até ao altar do Senhor. Essas normas também incluiriam a responsabilidade do povo em como se apresentar diante de Deus e como e quais as características dessas ofertas que seriam trazidas perante o Senhor. Assim Deus estaria no meio do Seu povo, que resgatou da escravidão do Egito para por ele ser adorado e também prover todas as bênçãos necessárias para o seu crescimento.

A maior riqueza que Israel poderia possuir era presença de Deus, pois Sua presença traz toda a felicidade que um povo pode desejar (Sl 33.12). Deus escolheu a nação de Israel para fazer dela uma propriedade peculiar, um reino sacerdotal, um povo santo (Êx 19.5-6). Ele escolheu Israel para ser um povo santo e habitar entre eles. Para que essa presença fosse constante, era necessário que Israel vivesse o padrão de santidade exigido por Deus (Dt 14.2).
3.2. Revelar o pecado no homem.
O ser humano em sua natureza caída procura mostrar uma aparência de piedade, mas o seu interior está completamente corrompido. A lei veio revelar o que há no interior do homem. O apóstolo Paulo expressou essa verdade ao fazer menção do mandamento quanto à cobiça (Rm 7.7). Por se tratar de uma atitude não tão visível como matar, roubar ou adulterar. A cobiça pode até ser disfarçada diante dos olhos humanos, mas não diante dos olhos humanos, mas não diante Daquele que conhece a totalidade do ser humano.

Jesus duramente combateu os escribas e fariseus, lhes chamando de hipócritas, pois ensinavam a lei, mas o seu interior estava cheio de iniquidade (Mt 23.25). Eles tinham um bonito discurso, mas a vida era completamente desordenada. Infelizmente, isso acontece nos nossos dias, nos quais prega-se um evangelho sem nenhum compromisso com a verdade. A mensagem apresentada tem apenas estes objetivos; oferecer vantagens passageiras, levantar recursos por meios inescrupulosos e enganar os incautos e inconstantes. Assim como Jesus condenou os escribas e fariseus, do mesmo modo serão julgados os que assim fazem atualmente, se não se arrependerem de seus atos malignos.

3.3. Mostrar a incapacidade do homem de cumprir a lei.
Quando afirma que não consegue realizar o bem (Rm 7.18), Paulo demonstra toda a capacidade e fragilidade do homem diante da lei. Saber o que é correto, mas ser incapaz de realizar; triste sina. A lei me traz o que é correto, mas sou incapaz de alcançar. É correr sabendo que nunca vai alcançar o fim. É descobrir que o homem não pode controlar-se a si mesmo e, assim, torna-se escravo do pecado. Mesmo quando pensamos que estamos fazendo o que é correto o pecado continua presente (Rm 7.17).

Uma lei funciona até que outra lei mais forte entre em ação. A lei do Espírito de vida nos livrou (Rm 8.2), pois é mais forte do que a lei do pecado. Em Cristo passamos para uma esfera de existência completamente distinta, pois a lei do pecado e da morte não tem mais nenhuma jurisdição sobre aquele que se coloca debaixo da lei de Cristo, a lei do Espírito de vida.

Conclusão.
A lei não pode conceder ao homem uma vida justa, pois ela só é útil para aquele que nunca pecou e para quem pecou ela não tem nenhuma solução. Porém, Jesus Cristo, vindo a este mundo, cumpriu a lei e nos trouxe a Sua graça, pela qual todo homem que a aceita é justificado diante de Deus.

Questionário.
1. Qual o terceiro livro de Moisés?
R: Levítico (Lv 1.1).

2. Qual ensino encontra-se de modo bem nítido no livro de Levítico?

R: A santificação do homem (Lv 20.7).

3. Para que servia a lei civil?
R: Para regular o relacionamento com o próximo e a proteção dos bens (Êx 21-23).

4. Por que a Igreja  não precisa cumprir o ritual da lei?
R: Porque a lei é sombra das coisas futuras (Hb 10.1).

5. Qual o mandamento Paulo usa para referir-se ao pecado no interior do homem?
R: “Não cobiçarás” (Rm 7.7).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Levítico – O ministério sacerdotal levítico e sua relevância para a Igreja. Adultos, edição do professor, 1º trimestre de 2018, ano 28, Nº 106, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Manual do Pregador

7 Passos Pregação Evangélica

Guia do pregador Iniciante

Teatro Evangélico KIT

CRISE, um passo para o seu crescimento espiritual

Vídeo aulas de suporte teatral

Seguidores

Mais lidos