quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Editora Betel - Lição 4 - O sacrifício pacífico.

Editora Betel - Lição 4 - O sacrifício pacífico.
Aula para o dia 28 de Janeiro de 2018.

Texto Áureo
Levítico 3.1
“E, se a sua oferta for sacrifício pacífico, se a oferecer de gado macho ou fêmea, a oferecerá sem mancha diante do Senhor”.

Verdade Aplicada
A comunhão com Deus tornou-se possível através do sacrifício realizado pelo nosso Senhor Jesus Cristo.

Objetivos da Lição
Ensinar que a comunhão é o propósito de Deus para os Seus filhos;
Instruir que a gratidão alegra o coração de Deus;
Mostrar que a verdadeira paz é alcançada através de Jesus Cristo.

Glossário
Entranhas: Conjunto das vísceras abdominais ou torácicas;
Espargir: Espalhar ou derramar um líquido em gotas ou borrifos; respingar;
Manjares: Qualquer substância usada pelo homem como alimento; comida sofisticada, geralmente apetitosa; iguaria.

Leituras complementares
Segunda Lv 3.1-2
Terça Lv 3.16-17
Quarta Lv 7.11-12
Quinta Lv 7.13-15
Sexta Lv 7.16-19
Sábado Lv 7.20-21

Textos de Referência.
Levítico 3.1-3; 17
1 E, se a sua oferta for sacrifício pacífico, se a oferecer de gado macho ou fêmea, a oferecerá sem mancha diante do Senhor.
2 E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta e a degolará diante da porta da tenda da congregação; e os filhos de Arão, os sacerdotes, espargirão o sangue sobre o altar, em roda.
3 Depois, oferecerá do sacrifício pacífico a oferta queimada ao Senhor: a gordura que cobre a fressura e toda a gordura que está sobre a fressura.

17 Estatuto perpétuo será nas vossas gerações, em todas as vossas habitações: nenhuma gordura, nem sangue algum comereis.

Hinos sugeridos.
187, 262, 482

Motivo de Oração
Ore para que a nossa comunhão com Jesus Cristo cresça a cada dia.

Esboço da Lição
Introdução
1. Uma oferta para comunhão.
2. Uma oferta de gratidão.
3. Uma oferta de paz.
Conclusão

Introdução
Com características distintas, as ofertas apresentam aspectos do ministério e da obra que Jesus realizou. A oferta pacífica tem por objetivo demonstrar o que o adorador alcança tendo comunhão com Deus.

1. Uma oferta para comunhão.
Nesta oferta o adorador também colocava a mão na cabeça do animal quando era degolado (Lv 3.2), simbolizando a comunhão com a vítima que morria sobre o altar. As entranhas e gordura do animal eram colocadas sobre o altar para serem queimadas. Nessa oferta o adorador podia comer do sacrifício, mas a porção mais excelente era oferecida ao Senhor, o único que podia apreciá-la.

1.1. A comunhão do adorador.
A comunhão é o propósito de Deus com as Suas criaturas, que se tornaram Seus filhos pela obra consumada por Jesus (Jo 1.12). Essa comunhão só pode acontecer com quem tem a vida de Deus e essa vida nos é concedida através do novo nascimento, que vem com a fé e o arrependimento por ter ofendido a santidade de Deus, aquele que cura e restaura. Para o adorador, a comunhão com Deus é a certeza de poder estar na presença de Deus sem ser consumido.

Para o adorador, a comunhão com Deus lhe concede o deleite que a presença do Senhor proporciona, uma experiência maravilhosa que todo salvo conhece. A intensidade dessa comunhão está tipificada neste sacrifício pacífico com todo o ritual que foi estabelecido na lei que Moisés recebeu do Senhor. No Novo Testamento a comunhão do salvo é caracterizada pelo culto que foi instituído por Jesus: a Ceia do Senhor (1Co 11.23-25). Uma ordenança que a Igreja deve realizar até que o Senhor volte, pois é o culto que caracteriza a comunhão do Corpo com a Cabeça, que é Cristo. É o modo simples do adorador dizer que permanece em comunhão com o Senhor, participando da Ceia, que, além de demonstrar comunhão, também é comemoração.
1.2. Comunhão com Deus.
A comunhão com Deus não podia ser alcançada na oferta de manjares, pois não havia o derramamento de sangue. Era uma oferta que representava o ministério terreno de Jesus, como vimos na lição passada, mas, nesta oferta (Lv 3.2), o sangue derramado sobre o altar permitia que a comunhão fosse alcançada, proporcionando ao homem todos os privilégios que a presença do Senhor concede. A comunhão deve ser vista pela Igreja com a mesma intensidade que Moisés se expressou: “Se a tua presença não for conosco, não nos faças subir daqui” (Êx 33.15).

A expressão “subir” que Moisés usa falar da presença de Deus é bem sugestiva, pois a comunhão com Deus consiste em o homem sair da sua posição inferior e chegar às alturas em que Deus habita. Jesus, no Seu ministério terreno, estava com os Seus discípulos, andando com eles, comendo, ensinando, fazendo milagres, mas, com a Sua morte, ressurreição e o derramamento do Espírito Santo, esta comunhão avança ao ponto de habitar neles. O salvo agora é morada do Pai e do Filho através do Espírito Santo (Jo 14.23). Uma comunhão que leva ao relacionamento alicerçado no amor (1Jo 1.3).

1.3. Comunhão de toda a família sacerdotal.
Na oferta pacífica os filhos de Arão tinham a responsabilidade de espargir o sangue ao redor do altar (Lv 3.8). A família sacerdotal atuava para a comunhão do adorador. Aquele que se chegava ao altar para ofertar ao Senhor tinha os sacerdotes para oficiar, a fim de que o mesmo ali permanecesse e fosse agradável a Deus. Uma bela figura da atividade da Igreja para que os pecadores sejam aceitos diante do Senhor com a mensagem do Evangelho, que apresenta o valor precioso do sangue de Jesus, que nos permite participar da comunhão como sacerdotes (1Pe 2.9).

Arão e seus filhos alimentavam-se do peito e da espádua direita – o peito e a espádua do animal são tipos emblemáticos de amor e de poder – afeição e força (Lv 7.31-32). Dois atributos que sustentam a comunhão da família sacerdotal no santuário estão representados na lei do sacrifício pacífico e nos ensinam o que sustenta a Igreja, simbolizada nos filhos de Arão, que são a afeição e força. A força representa o poder de nos manter nessa perfeita comunhão com o Senhor, como Ele se expressa em João 17.21, e a afeição é fundamentada no sentimento sublime que é o amor (1Jo 4.16). Assim, também, todos os discípulos de Cristo podem desfrutar do amor de Jesus e do amor de Jesus e do Seu poder.

2. Uma oferta de gratidão.
Essa oferta estava ligada diretamente ao desejo do ofertante em agradecer a Deus, como reconhecimento das bênçãos recebidas e das necessidades supridas por Deus (Lv 7.29). A gratidão deve ser constante na vida da Igreja.

2.1. Gratidão pelas necessidades supridas.
Deus é o provedor de todas as necessidades do homem e a gratidão é uma maneira de reconhecer esse ato do Criador. Satisfazer a necessidade não depende da quantidade do suprimento disponível, mas da bênção do Senhor repousar sobre o suprimento. Cinco pães e dois peixes provaram ser mais do que suficientes para alimentar os quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças, que O seguiam no deserto, porque Ele abençoou o alimento (Mt 14.19-21).

O ato do ofertante trazer o sacrifício demonstra a gratidão pelo que o Senhor tinha lhe concedido para seu sustento e de sua casa, e ele traria a oferta de “suas próprias mãos” (Lv 7.30). A gratidão é uma atitude pessoal dos que reconhecem que tudo nos é concedido pela bondade do Senhor: O salmista aconselha como Israel deveria entrar no santuário do Senhor: “Entrai pelas portas dele com louvor, e em seus átrios, com hinos; louvai-o e bendizei o seu nome.” (Sl 100.4). Deus proveu ao adorador do Antigo Testamento a possibilidade desse culto acontecer estabelecendo a oferta pacífica.

2.2. Gratidão pelas orações respondidas.
Ter a oração respondida só é alcançada pelas pessoas que servem a um Deus Vivo, pois um deus morto não tem capacidade de ouvir e responder. A Bíblia fala do deus que tem ouvido, mas não ouve (Sl 115.6). Servimos a um Deus que ouve e tem a capacidade para responder. A Palavra de Deus estimula fortemente a prática da oração (Sl 4.3; 65.2; 1Ts 5.17; Tg 5.16). O apóstolo Tiago, por exemplo, conclui o seu livro com um incentivo à oração (Tg 5.13-18). Devemos ser sempre gratos a Deus em nossas orações.

Para termos as nossas orações respondidas, devemos tornar tudo conhecido diante do Senhor pela súplica. É essencial ser cheio do Espírito Santo para tornar tudo conhecido de Deus com ações de graça. Tudo o que enfrentamos devemos apresentar ao Senhor, senão, quando vier a primeira dificuldade, não saberemos o que fazer. O fardo ficará cada vez mais pesado e acabaremos não suportando a pressão. Mas, se lançarmos sobre o Senhor, não ficaremos ansiosos, descansaremos nas Suas gloriosas promessas e seremos gratos pelas respostas às nossas orações (2Pe 5.7).

2.3. Gratidão pela revelação de Deus.
O salmista Davi assim se expressa: “Porque em ti está o manancial da vida; na tua luz veremos a luz.” (Sl 36.9). A luz que ilumina o nosso entendimento para compreendermos a mensagem da Palavra de Deus. Essa luz ilumina todo o Velho Testamento e nos revela esse grandioso ensino dos sacrifícios, que se cumpriram em Jesus Cristo. O escritor aos Hebreus fala que eram sombras dos bens futuros (Hb 10.1). Essa revelação se dá pela presença dessa luz em nossa vida, que nos leva a um brado de exaltação, como fez Paulo escrevendo à igreja em Roma (Rm 11.33).

O pecador deve ter gratidão e reconhecer tudo que Deus fez por intermédio de Seu Filho Jesus Cristo. Deus proporcionou o caminho para que o pecador pudesse se voltar para o Senhor e se assentar na Sua mesa para se alimentar do que Ele preparou para Seus filhos. Encontramos isso na parábola contada por Jesus sobre o filho que decidiu partir para uma terra distante. Quando voltou, seu pai o recebeu, vestiu-o com o melhor vestido e providenciou um banquete (comunhão). Assim, Deus vestiu o primeiro casal no Éden, pois vestes de folhas não eram suficientes, pois sem derramamento de sangue não há remissão de pecados (Hb 9.22). Somente a vestimenta dada por Deus (túnicas de peles, tipificando o sacrifício de Jesus) proporciona a condição necessária para restaurar a comunhão do ser humano com o Senhor.

3. Uma oferta de paz.
Na oferta pacífica, assim que o sangue era derramado, Deus e o adorador podiam estar em feliz e pacífica comunhão. O que Jesus veio trazer se encontra apenas no Reino de Deus (Rm 14.17). O mundo tenta promover essa paz, mas todos os meios empregados para que isso aconteça têm se mostrado completamente inúteis e frustrantes. No entanto, em Jesus, isso é alcançável para o homem.

3.1. Paz interior.
A paz interior é consequência direta da comunhão do homem com Deus e isso fica demonstrado neste sacrifício, no qual o ofertante e Deus têm a sua parte na oferta. A paz interior do homem é a certeza de posse das bênçãos que a salvação proporciona ao homem; a integridade de sua relação com Deus, que é restabelecida e garantida; e a certeza de que nenhuma condenação há para aqueles que estão em Cristo Jesus (Rm 8.1). A tradição judaica afirma que este sacrifício acompanhava a oferta da expiação em tempos de grande alegria (2Sm 6.17), e também em tempo de maior necessidade (Jz 20.26).

A paz interior que o homem alcança pelo sacrifício pacífico que Jesus fez por nós não está sujeita a situações externas que venhamos a enfrentar. Eles ofereciam a oferta nos tempos de grande alegria como nos dias de grandes tribulações, porque a paz não está alicerçada em situações exteriores do dia a dia, mas na obra que Jesus consumou. Esta obra, sim, uma obra perfeita que foi do agrado do Pai e traz ao homem a tão necessária paz para a sua existência. Numa sociedade que cada vez mais se afasta de Deus e um mundo cheio de conturbações, temos as doces palavras de Jesus: “para que em mim tenhais paz” (Jo 16.33).

3.2. Paz com o próximo.
Deus criou o homem para viver em paz com o seu semelhante e não para promover a guerra, mas Jesus estabeleceu um princípio para que a paz aconteça (Mt 10.34). Significa que, para haver a paz, seu princípio básico é consequência do relacionamento de obediência do homem para com Deus. Uma paz onde a pureza fica em segundo plano não é aprovada por Deus (Tg 3.17).

Deus estabelece uma ordem: “pura, depois pacífica” (Tg 3.17), e esta ordem não pode ser alterada. Se em busca da paz abandonarmos a pureza, certamente não estaremos agradando a Deus. Essa pureza só é alcançada através do sangue de Jesus, e não existe outra maneira de conseguir essa pureza. Os que procuram se afastar de Cristo para serem agradáveis ao próximo, estão fugindo dos propósitos divinos. Na oferta pacífica podia ser apresentado ao sacerdote o pão levedado (Lv 7.13), mas o sacerdote que recebesse o pão teria que derramar o sangue no altar (Lv 7.13-14).

3.3. Paz com Deus.
Ter paz com Deus é estar em Sua presença, com temor e tremor; para nela poder permanecer. Ter paz com Deus é o filho pródigo poder retornar para casa e ser recebido pelo pai, como na parábola que Jesus contou. A provisão para a festa da reconciliação foi feita pelo pai, assim como Deus o fazia para o sacrifício pacífico. A festa ocorria no lugar escolhido por Deus (Dt 12.5-7, 17-18). Estes detalhes ilustram bem a bênção da paz com Deus. O apóstolo Paulo, escrevendo a epístola aos Romanos, enfatiza que temos “paz com Deus” como resultado da nossa justificação pela fé (Rm 5.1). É a tranquilidade proporcionada a partir da reconciliação com Deus (Rm 5.11). Tal ação partiu do próprio Deus. Que bela expressão de amizade e de comunhão restaurada Deus mostrava através do sacrifício pacífico.

Por intermédio de Jesus Cristo a inimizade foi removida, desapareceu a separação e a comunhão é possível (Rm 5.10; Ef 2.3; Cl 1.21).

Conclusão.
Cristo, como sacrifício pacífico, estabelece a paz da consciência e satisfaz todas as necessidades da alma. No sacrifício pacífico os sacerdotes viam que podiam oferecer um cheiro suave para Deus e também render uma porção substancial para si mesmos, da qual podiam alimentar-se em comunhão.

Questionário.

1. O que deve ser constante na vida da Igreja?
R: A gratidão (Lv 7.29).

2. O que a Palavra de Deus estimula fortemente?
R: A prática da oração (Sl 4.3; 65.2; 1Ts 5.17; Tg 5.16).

3. Como o apóstolo Tiago conclui o seu livro?
R: Com um incentivo à oração (Tg 5.13-18).

4. Qual é a consequência direta da comunhão do homem com Deus?
R: A paz interior (Rm 8.1).

5. Qual paz não é aprovada por Deus?
R: Uma paz onde a pureza fica em segundo plano (Tg 3.17).

Fonte:
Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Levítico – O ministério sacerdotal levítico e sua relevância para a Igreja. Adultos, edição do professor, 1º trimestre de 2018, ano 28, Nº 106, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Manual do Pregador

Manual Bíblico das Questões Difíceis e Polêmicas da Bíblia

Guia do pregador Iniciante

Seguidores

Mais lidos