quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Editora Betel - Lição 6 - O sacrifício pela culpa.

Editora Betel - Lição 6 - O sacrifício pela culpa.
Aula para o dia 11 de fevereiro de 2018.

Texto Áureo
Levitico 7.2
“No lugar onde degolam o holocausto, degolarão a oferta pela expiação da culpa, e o seu sangue se espargirá sobre o altar em redor”.

Verdade Aplicada
A culpa é um sentimento que toma conta do coração do homem por algum ato errado, mas em Cristo este sentimento é apagado.

Objetivos da Lição
Ensinar que somente Deus tem a capacidade para avaliar o que é certo e o que é errado;
Explicar que quando há algum dano tem que haver restituição;
Mostrar a necessidade do ensino da Palavra de Deus.

Glossário
Expiação: Sacrifícios para arrependimento dos pecados;
Extorsão: Modo de obter algo de outrem de forma abusiva ou desonesta;
Siclo: Antiga moeda de prata dos hebreus.

Leituras complementares
Segunda Lv 5.15-16
Terça Lv 5.17-18
Quarta Lv 6.2-3
Quinta Lv 6.4-7
Sexta Lv 7.8-10
Sábado Ez 46.20

Textos de Referência.
Levitico 5.15-16; 19
15 Quando alguma pessoa cometer uma transgressão e pecar por ignorância nas coisas sagradas do Senhor, então trará ao Senhor, por expiação, um carneiro sem mancha do rebanho, conforme a tua estimação em siclos de prata, segundo o siclo do santuário, para expiação da culpa.
16 Assim, restituirá o que ele tirou das coisas sagradas, e ainda de mais acrescentará o seu quinto, e o dará ao sacerdote; assim, o sacerdote, com o carneiro da expiação, fará expiação por ela, e ser-lhe-á perdoado o pecado.
19 Expiação de culpa é; certamente se fez culpada ao Senhor.

Hinos sugeridos.
36,192, 516

Motivo de Oração
Ore pelo amadurecimento dos novos irmãos que se converteram a Jesus Cristo.

Esboço da Lição
Introdução
1. Culpado nas coisas sagradas.
2. Culpado negando ao seu próximo.
3. Alei da expiação da culpa.
Conclusão

Introdução
Através da Sua graça Deus perdoa a todos os pecadores, desde que o homem se arrependa. Sua santidade não deixa passar nenhum pecado, mas em Cristo proveu o meio para que a Sua santidade fosse satisfeita.

1. Culpado nas coisas sagradas.
Na oferta pela culpa havia a necessidade de uma restituição, diferenciando este sacrifício dos demais. Na oferta pela culpa uma reparação é exigida por Deus, seja ela para o santuário ou para o próximo. O texto bíblico revela a necessidade de uma reparação: “Assim, restituirá o que ele tirou das coisas sagradas...” (Lv 5.16).

1.1. Pecando por ignorância nas coisas sagradas.
Pecar por ignorância é cometer um delito, mas não ter a certeza total que cometeu um pecado. Para que não tivesse dúvida em sua consciência, traria o que foi exigido por Deus para alcançar a paz acerca dessa questão. O animal era estimado pelo sacerdote conforme o ciclo do santuário. O siclo do santuário equivale a vinte óbolos (Êx 30.13). Um óbolo equivale a 0,57 gramas de prata. Depois de avaliado o animal era oferecido como expiação para perdão do pecado. Era acrescentado na restituição o valor de vinte por cento. Esses eram os direitos que estavam ligados às coisas sagradas de Deus.

Além da restituição completa era necessário acrescentar um quinto (ou vinte por cento) do que tirou das coisas sagradas (Lv 5.16). Este procedimento aponta para um dos aspectos do sacrifício de Jesus Cristo. Como é um pecado cometido por ignorância, não podemos realmente compreender como ofendemos a santidade de Deus diariamente, mas o que Jesus realizou na cruz também abrangeu esta parte. Com o crescimento na vida espiritual, muitas ofensas deixam de ser praticadas, mas não alcançaremos a perfeição neste corpo.

1.2. Pecando e obrando contra algum de todos os mandamentos.
A não obediência a um mandamento do Senhor, mesmo que seja por não conhecer o mandamento, não torna a pessoa inocente (Lv 5.17). Este fato nos ensina que somente Deus tem a capacidade para avaliar o que é certo e o que é errado. O homem não tem esta capacidade e mesmo assim pensa ter. Quantos hoje estão guiando a sua vida pelo “eu acho que isto é certo”, “eu acho que isto não tem problema”, ou “todo mundo está fazendo, eu posso fazer também”? Para agradar a Deus, devemos fazer o que Ele estabelece.

Somente a santidade de Deus pode estabelecer o padrão quando os direitos de Deus estão em causa. Uma pessoa poderia transgredir uma lei do santuário sem se aperceber (ignorância nas coisas sagradas), mas uma mentira, jurar falsamente, enganar o próximo, cometer um ato violência, não pode ser ignorância, mas é desobedecer aos mandamentos do Senhor. O sacrifício realizado por Jesus cuidou dessas duas áreas na vida do ser humano: a culpa pelo pecado de ignorância e, também, dos pecados conhecidos.

1.3. Restituição perante o Senhor.
No ritual o transgressor confessava o pecado, restituía o valor envolvido, pagando um acréscimo de um quinto (vinte por cento) em siclos de prata, e sacrificava um carneiro ao Senhor (Lv 5.15-16). A essência é a obra da expiação realizada para perdão do pecado do ofensor à lei de Deus. Essa obra de expiação pelo pecado do homem foi realizada por Jesus, que derramou o Seu sangue inocente para atender à justiça de Deus. O escritor aos Hebreus afirma: “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.” (Hb 9.22).

O sacrifício da culpa abrangia vários tipos de pecado e estava incluso reter o que pertencia a Deus, como dízimos e ofertas, a consagração das primícias e outras obrigações que o israelita tinha perante o Senhor, e também proceder de maneira a não contrariar o que o Senhor tinha estabelecido. Mesmo no caso de a pessoa não ter a certeza de ter pecado contra o Senhor Deus, os mais escrupulosos traziam, também assim, uma oferta pela culpa. Esse sentimento estava presente no coração daquele que tinha o prazer de buscar a comunhão com o Senhor, de ter paz no seu coração para consigo e também com Deus.

2. Culpado negando ao seu próximo.
Ofensas causadas às pessoas em questões de bens pessoais ofendem a lei de Deus, que deixa de forma bem clara como deve ser o relacionamento com o próximo (Lv 19.18). Jesus foi enfático a respeito desse mandamento no Seu ministério (Mt 22.39), e também os apóstolos (1Jo 4.20).

2.1. Prejuízos causados ao próximo.
As instruções do Senhor também tratavam acerca dos prejuízos causados ao próximo em questões de propriedades que dizem respeito ao logro (algo que alguém deixou em depósito de outrem), roubo, ou ganho injusto por extorsão (agiota). A não devolução de algo achado quando se conhece o dono e outras semelhantes são situações mais próximas de atos de pecados conscientes e voluntariosos que precisavam ser confessados para que se tornassem conhecidos (Lv 6.1-7). Essas ações eram puníveis (Êx 22.7-13), pois pecar contra o próximo, dentro do concerto dado por Deus ao povo de Israel, era pecar contra o próprio Deus.

Um grande problema em todas as épocas na sociedade é a ganância do homem. O desejo de possuir torna o ser humano frio, desumano e insensível para com o próximo. Paulo afirma que: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé e transpassaram a si mesmos com muitas dores.” (1Tm 6.10). Para vencer esta avareza, que a Palavra de Deus classifica como idolatria, somente com amor ao próximo. A situação atual do mundo é um exemplo do que o homem sem a graça de Deus no coração é capaz de realizar.

2.2. Reparando o dano.
No pecado contra o próximo era necessário primeiro fazer a reparação do dano para poder depois trazer a oferta perante o altar. A Palavra de Deus não se contradiz, por isso Jesus ensinou aos Seus discípulos que antes da oferta o dano deve ser reparado (Mt 5.23-24). O transgressor, antes que pudesse ser perdoado, deveria fazer a restituição apropriada. A penalidade visava inculcar nos transgressores a importância da honestidade e responsabilidade no convívio social. Trazer a oferta, mas não restituir ao próximo não expiaria o pecado do transgressor. Há situações que não basta apenas orar, é preciso antes pagar o que se deve.

Desde que o pecado defraudou alguém, necessário é que haja restituição para a parte ofendida. A característica distinta das ofertas pela culpa era o pagamento de restituição com acréscimo, conforme determinava a lei, sem se importar se esta fosse para Deus ou para uma pessoa humana. “O carneiro das ofertas pela culpa não fazia parte da restituição, mas era a expiação pelo pecado, diante de Deus” (F. Duane Lindsey). A oferta da culpa ilustra a grande seriedade e gravidade do pecado e a eficácia do sacrifício de Cristo, que deu satisfação e plena reparação ao nosso favor diante de Deus.


2.3. A necessidade da oferta pela culpa.
Quando Jesus purificou os leprosos, mandou que eles se apresentassem ao sacerdote (Mt 8.4; Lc 17.14), porque havia a necessidade de oferecer a oferta pela culpa para que os mesmos fossem declarados limpos. Jesus veio para cumprir a lei, e, se era essa a exigência da lei, precisava que fosse cumprida. A profanação do nazireado também exigia a expiação da culpa: “Então separará os dias do seu nazireado ao Senhor, e para expiação da culpa trará um cordeiro de um ano” (Nm 6.12).

Deus exige um comportamento honroso entre os seus semelhantes, uma existência com ética nos relacionamentos sociais, uma existência com liberalidade. Quando assim não acontece, um encargo precisa ser acrescentado. Este é o sacrifício da oferta pela culpa. Este sacrifício nos ensina que alcançamos o perdão da culpa quando observado o que está contido no texto bíblico: reconhecimento do pecado seguido pelo arrependimento, restauração do dano e finalmente o sangue espargido no altar (Lv 6.7).

3. A lei da expiação da culpa.
A lei da expiação da culpa, assim como a lei da expiação do pecado, estabelecia que o sacrifício poderia ser comido pelo sacerdote. Para tocar nessas ofertas deveria ser santo (Lv 6.27). Da mesma forma, todos os que estão unidos a Cristo Jesus, pela fé, são santos.

3.1. Uma mesma lei.
A Palavra de Deus afirma que assim como era a lei da expiação do pecado, assim também seria a lei da expiação da culpa (Lv 7.7). Esses dois sacrifícios apresentam a santidade de Cristo de maneira enfática. Essa era uma oferta que todo homem de família sacerdotal estava autorizado a comer (Lv 7.6), mas deveria consumir em local sagrado, pois era uma oferta santíssima (Lv 6.29). A exigência feita pelo Senhor é que estivesse limpo para poder comer (Nm 18.11).

Na lei da expiação da culpa, que é como na lei da expiação do pecado (Lv 7.6-7), o Espírito Santo de maneira maravilhosa enfatiza a santidade do sacrifício, que é tipo da obra realizada por Jesus. Como estes dois sacrifícios estão relacionados com o pecado do homem, fica enfatizado a santidade da oferta, pois Jesus levou os pecados da humanidade, mas não se contaminou (1Pe 1.19). Tomou os pecados do Seu povo e sofreu a pena deles na cruz. Está cumprido todas as exigências de Deus e todas as necessidades dos homens. Tudo Jesus realizou.

3.2. Fartura no lar.
A responsabilidade no Antigo Testamento de ensinar a Palavra de Deus ao povo estava sob a incumbência dos sacerdotes e levitas (2Cr 17.7-8). Já em casa, essa responsabilidade era dos pais (Dt 6.7). Um povo mais esclarecido traria mais oferta, pois teria maior conhecimento da lei e, evidentemente, de suas transgressões; um povo com pouco conhecimento nem saberia que havia desobedecido a lei. A fartura sobre o altar estava ligada diretamente ao conhecimento que o povo tivesse da lei. Quanto mais ensino, mais fartura para o sacerdote. Boca aberta ensinando a Palavra de Deus, provisão pelos sacrifícios trazidos ao santuário.

Esse princípio permanece no Novo Testamento como era em Israel nos tempos antigos. Quanto mais a Palavra de Deus é ensinada na igreja, mais fartura teremos no santuário. Essa fartura se manifesta na igreja, na esfera em que ela se encontra. Uma fartura que sustenta os seus ministros como também gera riqueza na igreja e essa riqueza não é ouro ou prata, mas uma riqueza espiritual, que manifesta a graça de Deus, Sua glória, a excelência do fruto do Espírito na vida dos crentes e as manifestações dos dons espirituais. Onde prevalece o espiritual o material é acrescentado pelo Senhor (Mt 6.33)

3.3. Gordura e sangue para o Senhor.
Todo o sangue e toda a gordura deveriam ser oferecidos ao Senhor, sendo proibido ao homem comê-los (Lv 7.2-3). Isso deveria ocorrer em todos os sacrifícios nos quais animais eram oferecidos sobre o altar. Na dieta do povo de Israel eram elementos proibidos: “Estatuto perpétuo será nas vossas gerações, em todas as vossas habitações: nenhuma gordura, nem sangue algum comereis.” (Lv 3.17). No Novo Testamento, a carne ritualmente impura, de animais sufocados e o sangue foram proibidos no primeiro concílio da Igreja (At 15.20).

O sangue fala da redenção do homem efetuada na cruz por Jesus. O sangue foi oferecido a Deus pelos nossos pecados e o homem não tem capacidade de participar, por isso é proibido dele comer, pois foi oferecido a Deus. A gordura também era proibida ao homem comer no Antigo Testamento e alguns órgãos (Lv 7.3-5). A gordura simboliza a glória que só pode ser dada a Deus. Tudo realizado por Cristo foi para a glória de Deus (Jo 17.1). O sangue e a gordura simbolizavam o relacionamento entre Deus Pai e Deus Filho.

Conclusão.
Os tipos do Antigo Testamento nos ajudam a entender a dimensão do sacrifício de Jesus Cristo realizado na cruz do Calvário. Como atendeu a exigência da santidade de Deus e como alcançou o homem no seu estado miserável de pecado e como o alçou até a presença do glorioso Deus.

Questionário.

1. Quem realizou a obra de expiação pelo pecado do homem?
R: Jesus (Hb 9.22).

2. No pecado contra o próximo, o que é necessário?
R: Primeiro fazer a reparação do dano para poder depois trazer a oferta perante o altar (Mt 5.23-24).

3. O que a profanação do nazireado exigia?
R: A expiação da culpa (Nm 6.12).

4. De quem era a responsabilidade no Antigo Testamento de ensinar a Palavra de Deus ao povo?
R: Dos sacerdotes e levitas (2Cr 17.7-8).

5. Na dieta do povo de Israel, quais elementos eram proibidos?
R: Gordura e sangue (Lv 3.17).


Fonte:
Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Levítico – O ministério sacerdotal levítico e sua relevância para a Igreja. Adultos, edição do professor, 1º trimestre de 2018, ano 28, Nº 106, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Seguidores

Mais lidos