quarta-feira, 21 de março de 2018

Editora Betel - Lição 12 Voto e dízimo.

Editora Betel - Lição 12 Voto e dízimo
Aula para o dia 25 de março de 2018

Texto Áureo
Levítico 27.32
“No tocante a todas as dízimas de vacas e ovelhas, de tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor”.

Verdade Aplicada
A contribuição para a obra do Senhor deve ser feita com alegria e regozijo no coração, pois é um grande privilégio poder ofertar e dizimar para a causa do Mestre.

Objetivos da Lição
Explicar a importância dos votos e dízimos;
Ensinar que dizimar é honrar a Deus;
Mostrar a necessidade de investir no Reino de Deus.

Glossário
Benevolência: Boa vontade; manifestação de afeto, carinho;
Dádiva: Ato ou efeito de dar algo, de modo espontâneo e desinteressado;
Liberalidade: Disposição de praticar o bem, sem esperar recompensa.

Leituras complementares
Segunda Lv 27.3-7
Terça Lv 27.16-21
Quarta Lv 27.28-31
Quinta Ml 3.10-11
Sexta Mt 23.23
Sábado 2Co 9.7-8

Textos de Referência.
Levítico 27.1-4, 32
1 Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo:
2 Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando alguém fizer particular voto, segundo a tua avaliação serão as pessoas ao Senhor.
3 Se for a tua avaliação dum varão, da idade de vinte anos até à idade de sessenta, será a tua avaliação de cinquenta ciclos de prata, segundo o ciclo do santuário.
4  Porém, se for fêmea, a tua avaliação será de trinta ciclos.
32  No tocante a todas as dízimas de vacas e ovelhas, de tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor.

Hinos sugeridos.

18, 196, 390

Motivo de Oração
Peça a Deus que levante mantenedores para Sua obra.

Esboço da Lição
Introdução
1. Votos e dízimos.
2. Dízimos no Antigo Testamento.
3. Dízimos no Novo Testamento.
Conclusão

Introdução
A santidade de Deus exige disciplina e padrões que o homem deve honrar e obedecer. No passado, para Israel,  e no presente, para a Igreja, esses padrões são essenciais para viver em santidade, conforme Deus ordena.

1. Votos e dízimos.
O voto particular de uma pessoa era opcional e voluntário e de caráter muito especial. Uma vez votado, o israelita não poderia deixar de cumprir o voto. Já o dízimo não era opcional e sim uma determinação da parte do Senhor, que deveria ser obedecida pelo israelita com prazer, por poder contribuir para a obra do Senhor.

1.1. Os votos.
O voto era algo de suma importância e poderia ser feito em agradecimento por bênçãos recebidas, como também por necessidade de receber um favor da parte do Senhor. O voto deveria ser feito com entendimento, para que pudesse ser cumprido o que votou, procurando evitar votos precipitados. Salomão assim afirma: “Quando a Deus fizeres algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos; o que votares, paga-o. Melhor é que não votes do que votes e não pagues.” (Ec 5.4-5). O voto poderia ser com respeito a uma pessoa, um animal, uma casa ou campo. Tudo o que fosse dedicado a Deus deveria ser trazido ao sacerdote e poderia ser resgatado, conforme estabelecido pela lei.

Talvez você seja o tipo de pessoa que leia a bíblia, que tem muita vontade de entender melhor as escrituras, mas ao ler algum artigo na internet ou assistir uma mensagem em um DVD ou ouvir o pregador na igreja percebe que há muitos detalhes que você ainda não tinha percebido ou entendido, o presbítero André Sanches preparou um material excelente pensando em pessoas como você, clique aqui para conhecer este material que vai mudar sua vida espiritual e a compreensão das escrituras sagradas

O voto a Deus era uma prática comum entre o povo de Israel (Gn 28.20; Nm 30.2-16; 1Sm 1.11; 2Sm 15.8). Talvez um dos votos mais lembrados e debatidos seja o de Jefté (Jz 11.30-40). Existem duas correntes de interpretação: a que ele sacrificou a filha e outra que defende a manutenção da virgindade dela para sempre. No Novo Testamento não há orientação específica concernente à prática do voto, contudo alguns princípios são permanentes: cuidado para não usar a prática do voto com intuito de barganhar com Deus; Deus não se agrada de votos precipitados e promessas não cumpridas (Ec 5.4-6); o voto não é obrigatório para alcançarmos o favor de Deus (Mt 7.9-11; Tg 1.5); que todo o nosso ser seja oferecido em “sacrifício vivo, santo e agradável” (Rm 12.1-2).

1.2. As bênçãos pela obediência.
O desejo de Deus sempre é de abençoar o Seu povo, mas a obediência é uma exigência divina para que isto ocorra (Lv 26.3). As bênçãos se multiplicariam sobre o povo e a abundância estaria presente na existência de Israel; mas, se o povo se afastasse do Senhor, então o castigo viria com graus de intensidade, como um aviso para que se voltasse para Deus. Essas bênçãos decorrentes da obediência levariam o homem a dizimar como um ato de reconhecimento de que tudo o que recebera era uma dádiva da parte do Senhor.

Essas bênçãos que foram prometidas no capítulo vinte e seis do livro de Levítico, Israel as alcançará na sua plenitude na dispensação do milênio, período em que Israel, período em que Israel estará convertido ao Senhor como nação. Todas as bênçãos tinham o seu fundamento em só adorar a Deus (Lv 26.1), guardar o sábado (Lv 26.2), reverenciar o local da habitação de Deus (Lv 26.2) e obedecer a Palavra de Deus (Lv 26.3). Essa aliança de bênçãos foi dada a Israel, que Deus prometeu abençoar nesta terra. 


1.3. Os dízimos.
O termo dízimo, do hebraico “ma’ aser ou ma’ asar (no plural) e no feminino ma’ asrah”, tem o sentido de décima parte, pagamento de uma décima parte. É uma doutrina da Palavra de Deus e muito questionada por aqueles que não servem ao Senhor, mas aceita com alegria por todos aqueles que, com um coração sincero, servem a Deus e são alcançados pela Sua benevolência e liberalidade. Tudo que o cristão faz para o Senhor deve ser feito com prazer. Portanto, contribuir com o dízimo é um grande privilégio que o Senhor concede aos Seus filhos.

> Sendo a prática de dizimar alvo de questionamentos, levando muitos a difamar os pastores por causa do dízimo, não devemos nos envergonhar de sermos dizimistas, pois estamos obedecendo a Palavra de Deus. Observemos que Jesus disse: “Eu sou a porta”, isto é, quando O aceitamos, passamos “para o lado de dentro”. Fazendo uma ilustração, seria como se uma pessoa, estando do lado de fora da casa, quisesse discutir a respeito da disposição dos móveis dentro da casa. Ela não teria condição de dizer onde os móveis estariam melhor posicionados, mas quem tivesse dentro da casa teria condição de fazê-lo. Doutrina bíblica é para os que estão dentro, os que, “passaram pela porta”. Assim, nós, os que cremos, temos condição de saber que o dízimo é o melhor para nós, ainda que aqueles que estão do lado de fora nos critiquem.

2. Dízimos no Antigo Testamento.
O dízimo é a parte do Senhor e foi dado para aqueles que exercem o ministério na casa do Senhor: “E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo seu ministério da tenda da congregação.” (Nm 18.21). O dízimo também é dar honra a Deus.

2.1. Abraão dizimou.
A primeira menção do dízimo na Bíblia foi quando Abraão se encontrou com Melquisedeque (Gn 14.20), depois de ser abençoado por ele (Gn 14.19). É importante observar a sequência dos fatos: primeiro Abraão é abençoado, depois ele dizima. Assim acontece com os que servem a Deus. Abraão é o pai da fé dos que creem e como filhos espirituais devemos seguir o seu exemplo e trazer o que é do Senhor para a Sua casa. Abraão foi um homem possuidor de muitas riquezas, mas não se tornou um avarento, não tendo assim nenhuma dificuldade de entregar o seu dízimo.

O discípulo de Cristo não pode ser regido por dois interesses, o dele e o de Deus. Um deve ter a primazia sobre o outro e Deus quer ser o principal de nossas vidas. Quando uma pessoa pensa mais no seu interesse, terá muita dificuldade para cumprir o que Deus estabelece, principalmente quando se trata da área financeira. O homem se torna um avarento, amante do dinheiro, um verdadeiro idólatra, mas quando seu interesse principal é o Senhor, ele se torna uma pessoa abençoada, um fiel dizimista, um exemplo na casa do Senhor. Abraão acabara de libertar Ló porque era um homem livre de toda a avareza, como ficou demonstrado diante do rei de Salém e ao recusar as riquezas de Sodoma e Gomorra. Quem tem as riquezas de Deus não tem dificuldade de agradar ao Senhor que o enriqueceu.

2.2. O voto de Jacó.
Jacó neto de Abraão, certamente ouvira seu pai Isaque o que seu avô fizera diante do rei de Salém e num momento de encontro com Deus faz um voto (Gn 28.20-22). É nítido que neste episódio, Jacó está tendo uma experiência com Deus em um momento marcante em sua vida. Notar que a expressão “dízimo” aparece no final do relato: Deus se revela, fala com ele e lhe faz promessas. A seguir vem a reação de Jacó: ele declara a grandeza e majestade de Deus e só então faz um voto. Porém, antes de mencionar o dízimo, ele declara: “O Senhor será o meu Deus”. O dízimo surge como consequência do Senhor ser o seu Deus!

Deus estabelece na lei a necessidade do ensino em família para que as gerações seguintes obedeçam aos mandamentos do Senhor. É essencial ensinar os filhos a serem dizimistas (Dt 6.6-7).

2.3. A bênção de ser dizimista.
É importante sabermos que a prática de dizimar não era restrita a Israel no antigo Oriente Médio. Existia entre os gregos , egípcios e mesopotâmicos, entre outros, conforme citações da literatura arcadiana. Em tais culturas, os dízimos eram pagos a deuses ou a templos, fazendo parte, assim, da piedade religiosa, conforme comentário de R. N. Champlin. Portanto, pelos relatos acerca de Abraão e Jacó nos tópicos acima, o dízimo não foi estabelecido em Israel pela lei mosaica. A lei deu conteúdo e forma à prática do dízimo (Lv 27; Nm 18; Dt 12, 14, 26).

A partir dos textos bíblicos mencionados, encontramos orientações básicas quanto ao ato de dizimar; como observou J. G. S. S. Thompson (citado no Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento): 1 – Dízimo de quê? De todos os bens e frutos do trabalho (Lv 27.30-34); 2 – Dízimo a quem? Levitas e sacerdotes (Nm 18.21-32); e 3 – Onde entregar? No lugar que o Senhor escolheu (Dt 12.1-14; 14.22-29). Quando há um despertamento e restauração de comprometimento a partir das Escrituras, resulta, entre outras coisas, em retorno às contribuições financeiras e participação  com bens materiais para a manutenção dos serviços religiosos (Ne 9.38; 10.28-29, 33-39; 2Cr 31.2-6). Porém, não havendo liderança e ensino, há abandono e desprezo, também, na aplicação dos bens e das finanças em relação ao serviço religioso (Ne 13.10-12).

3. Dízimos no Novo Testamento.
Não encontramos no Novo Testamento tantos textos que mencionam a prática de dizimar como no Antigo Testamento, conforme visto nos tópicos anteriores. Talvez, por esta causa, muitos consideram que não é uma prática legítima para a Igreja.

3.1. O tempo da graça.
Logo no primeiro livro do Novo Testamento, há o registro das palavras de Jesus sobre o dízimo (Mt 23.23). Lucas também registrou (Lc 11.42). Jesus censura os escribas e fariseus pelo fato de estarem desprezando a misericórdia, o juízo e a fé. E então o Senhor exorta que deveriam praticar o mais importante sem omitir a prática de dizimar. Portanto, não há suspensão dos princípios presentes no ato de dizimar, como: participação, proporcionalidade, generosidade, regularidade e objetivos bem estabelecidos.

Talvez você seja o tipo de pessoa que leia a bíblia, que tem muita vontade de entender melhor as escrituras, mas ao ler algum artigo na internet ou assistir uma mensagem em um DVD ou ouvir o pregador na igreja percebe que há muitos detalhes que você ainda não tinha percebido ou entendido, o presbítero André Sanches preparou um material excelente pensando em pessoas como você, clique aqui para conhecer este material que vai mudar sua vida espiritual e a compreensão das escrituras sagradas

Todos os discípulos de Cristo podem observar esses princípios, independente de condição sócio-econômica. Pois se trata de expressão de amor a Deus, fé, gratidão, reconhecimento e privilégio de sermos participantes na manutenção das igrejas locais. É um dos sinais da nossa fidelidade a Deus e de reconhecimento da nossa dependência dEle.

3.2. O caminho da prosperidade.
Conforme o homem se ocupa com as coisas de Deus, Deus cuida em abençoar a sua vida (Sl 37.4). Sabemos que a prosperidade espiritual é a bênção que Deus deseja para a Sua Igreja e essa prosperidade é acompanhada com o prazer de servi-Lo, ter saúde, ter a bênção sobre a sua família, desfrutar da comunhão com o Senhor e de contentamento, conforme o apóstolo Paulo escreve a Timóteo: “Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.” (1Tm 6.8). Como servimos a um Deus abençoador, temos sido agraciados com bem mais do que merecemos. Por essa razão, devemos abrir mais as nossas mãos para a obra do Senhor.

O cristão foi chamado por Deus para ser uma bênção e nessa chamada também está incluso ser uma pessoa próspera. Deus quer dar aos Seus filhos todos os tipos de experiência (Fp 4.12), para que o seu coração não fique apegado às coisas materiais, mas que saiba dela desfrutar nesta vida, sem ser um empecilho para a sua vida espiritual. Ser abençoado por Deus é um bem que não tem preço, como gratidão devemos ser liberais na nossa contribuição ao Senhor (Fp 4.19).

3.3. Semeando muito.
A lei da semeadura é simples: quem planta muito colhe muito e quem planta pouco colhe pouco (2Co 9.6). Nessa lei também temos que observar a qualidade da semente, pois quem planta com semente ruim colherá o fruto do que plantou (Gl 6.7). Temos que ter uma boa semente e plantar com abundância para colher um fruto bom e com abastança. O diabo quer nos distrair, fazendo com que gastemos o nosso dinheiro e deixemos de investir no Reino de Deus, mas os que investem no Reino de Deus estão fazendo o correto, como nos ensina Jesus: “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam. Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.” (Mt 6.19.20).

Atentemos para o texto que se encontra na epístola de Paulo aos Gálatas: “E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui.” (Gl 6.6). O dízimo e todas as contribuições que são trazidas à casa do tesouro são para sustento da obra do Senhor e para aqueles que exercem o seu ministério na casa do Senhor. Sejamos gratos a Deus por todas as bênçãos que Ele tem concedido e pelas que ainda virão.

Conclusão.
O livro de Levítico nos ensina como Deus é santo e quer que Seus filhos sejam santos assim como Ele é, e que também devemos ser voluntários em ofertar para a Sua casa, para sustento dos que são chamados por Ele para servir na sua obra, manutenção do templo local e auxílio dos mais necessitados.


Questionário.

1. O desejo de Deus sempre é de abençoar o Seu povo, mas qual a Sua exigência para que isso ocorra?
R: A obediência (Lv 26.3).

2. Qual é a primeira menção do dízimo na Bíblia?
R: Quando Abraão se encontra com Melquisedeque (Gn 14.20), depois de ser abençoado por ele (Gn 14.19).

3. Quem, num momento de encontro com Deus, fez um voto?
R: Jacó (Gn 28.20-22).

4. O que a lei deu à prática do dízimo?
R: Conteúdo e forma (Lv 27; Nm 18; Dt 12, 14, 26).

5. Porque a lei da semeadura é simples?
R: Porque quem planta muito colhe muito e quem planta pouco colhe pouco (2Co 9.6).

Fonte:
Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Levítico – O ministério sacerdotal levítico e sua relevância para a Igreja. Adultos, edição do professor, 1º trimestre de 2018, ano 28, Nº 106, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.


Sabia que existem muitas coisas que fomos ensinados errado, por um erro de tradução, por um erro de interpretação ou mesmo porque a pessoa que liderava a igreja não tinha conhecimento suficiente para ensinar. Por este motivo existem tantas coisas sendo ensinas nas igrejas que nem existem na bíblia. Gostaria de conhecer algumas? Clique aqui para conhecer este manual que contém mais de 250 Perguntas Bíblicas respondidas de forma simples e descomplicada, a fim de ajudar todos aqueles que amam estudar a Palavra de Deus a extrair dela as principais respostas que ela tem a nos dar.

Seguidores

Mais lidos