domingo, 7 de junho de 2026

Programa Nova Dimensão. Um programa gospel gratuito para sua rádio

O programa Nova Dimensão é um programa gospel gratuito para sua rádio ou webradio, com duração de apenas meia hora e disponibilizado diariamente para download, o programa pode ser baixado e utilizado gratuitamente por sua emissora, desde que não seja feita nenhuma edição no audio.

O programa Nova Dimensão é apresentado pelo presbítero da igreja Assembleia de Deus, Cido Silva, ex-radialista que atuou quase vinte anos em emissoras comerciais do estado de mato Grosso.

Um programa dinâmico e agradável a todos os públicos, tocando louvores de todas as épocas e atendendo todos os gostos, com uma palavra profética de sete minutos de duração.

Gostaria de transmitir e sua rádio, entre em contato através do e-mail pb.cidosilva@outlook.com e visite o link: https://www.dropbox.com/sh/d0hrfpkrmui4r8h/AABibzdNM9En_kKbNxVUn_-4a?dl=0

 
Read more

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Editora BETEL - Lição 12 A missão dos doze discípulos.

Aula do dia 18 de setembro de 2016

Texto Áureo
Mateus 10.1
“1 E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem e para curarem toda enfermidade e todo mal”.

Verdade Aplicada
O Mestre obteve êxito em espalhar as boas novas quando chamou, preparou e enviou os Seus discípulos.

Objetivos da Lição
Mostrar como Jesus chama e designa discípulos a pregar;
Apresentar a maneira como Jesus instruiu os Seus doze discípulos;
Ensinar que essa mesma estratégia pode ser aplicada hoje.

Glossário
Hostil: Adverso, inimigo; provocante; que procura dar batalha;
Omitir: Deixar de fazer ou dizer alguma coisa; não mencionar;
Outorgar: Aprovar, concordar com.

Leituras complementares
Segunda Mt 10.1
Terça Mt 10.2
Quarta Mt 10.3
Quinta Mt 10.4
Sexta Mt 10.12
Sábado Mt 10.13

Textos de Referência.
Mateus 10.5-10
5 Jesus enviou estes doze e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho das gentes, nem entrareis em cidade de samaritanos;
6 Mas ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel;
7 E, indo, pregai, dizendo: É chegado o Reino dos céus.
8 Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.
9 Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,
10 Nem alforjes para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordão, porque digno é o operário do seu alimento.

Hinos sugeridos.
16, 93, 115

Motivo de Oração
Suplique proteção física e espiritual que vem do alto sobre aqueles que ouviram o Evangelho.

Esboço da Lição
Introdução
1. Chamados a missão.
2. Instruídos e delegados para a missão
3. Enviados para a missão.
Conclusão

Introdução
Veremos nesta lição a necessidade de Jesus chamar, instruir e delegar tarefas específicas aos Seus discípulos. Tais movimentos do Mestre servem como modelo para agir evangelisticamente em nossos dias.

1. Chamados à missão.
A tarefa de levar as boas novas às “ovelhas perdidas da de Israel” era extensa, pesada e impossível para um homem só, visto que Jesus deveria atuar dentro de um prazo. Daí a necessidade de o Mestre convocar, instruir e enviar os doze discípulos.

1.1. A natureza da missão.
A missão era basicamente representar o Mestre. Eles deveriam se dirigir à casa de Israel, a começar pela cidade em que residiam, e pregar o ambiente para a chegada de Jesus (Mt 11.1). Todavia, era necessário que eles dessem explicações às pessoas das cidades e aldeias contatadas acerca do propósito deles, pregando-lhes: “é chegado o reino dos céus” (Mt 10.7). Não só deveriam levara a mensagem do Mestre, porém oferecer uma amostra de Seu pode, demonstrando assim que de fato já estava entre eles o Reino de Deus, à medida que cressem, pois haveria cidades e aldeias inteiras que não creriam neles e nem os receberiam (Lc 9.51-56). A missão preparatória e evangelizadora não é fácil, visto ser guerra declarada às trevas.

Apresente para os alunos a natureza da missão dos discípulos como um meio preparatório para o trabalho do Senhor Jesus Cristo. Entretanto, mostre para os alunos que eles deveriam ser claros quanto a mensagem do Reino, posto que se não houvesse objetividade e clareza as pessoas não compreenderiam e consequentemente rejeitariam os trabalhos deles e do Mestre, Comente com os alunos que, na verdade, este trabalho era preparatório para uma cruzada evangelística, ou melhor, a tomada religiosa da cidade pelo Senhor Jesus. Tais coisas devem ser praticadas ainda hoje, pois para isto a Igreja ainda está aqui na terra.
1.2. Quem foram os convocados?
Os convocados para esta missão foram doze. Quatro dentre esses já andavam com Jesus (Mt 4.18-22). Essa quantidade de convocados aponta para as doze tribos de Israel. Jesus convocou os discípulos que conhecem a Sua visão e que entendessem do Seu sentimento. Nenhum desconhecido, sem qualquer conhecimento ou precipitado, pôde fazer parte dessa delegação, até porque era uma missão de confiança. Quando uma equipe se prontifica para evangelizar, deve sondar se já possuem boa convivência, se todos estão unânimes e minimamente preparados, para que o inimigo não sabote o trabalho evangelizador.

Explique para os alunos que da mesma forma que Jesus Cristo usou critério para seleção e delegação, nós devemos ter também. Quer estejamos organizando ou sendo colaboradores numa dupla ou equipe de evangelização é necessário um preparo mínimo simultâneo entre os irmãos, formando assim um pensar e linguajar harmônico dentro da dupla ou equipe. Alerte os alunos para o fato de que a evangelização não funciona bem e logo se dissolve se não há critérios claros e sentimento de unidade. Comente com os alunos que ninguém deve entrar e sair para um trabalho em equipe de improviso. Não funciona!

1.3. Por que eles foram escolhidos?
Jesus chamou a si os que Ele quis. Eram discípulos que depois de preparados se tornariam representantes enviados, isto é, apóstolos. Os pontos em comum que havia entre eles era o fato de serem galileus, de conhecerem Jesus há algum tempo e, possivelmente, tê-lo acompanhado. Por outro lado, não houve critério totalmente uniforme nas escolhas deles, pois havia pescadores, um zelote, um publicano etc. O mais importante, entretanto, era que cada um tivesse real desejo de colaborar, disposição em aprender e que fosse tratável. Não são estes os mesmos critérios hoje a serem aplicados no desenvolvimento de uma equipe evangelística? Claro que sim.

É de grande importância que os alunos aprendam a valorizar o trabalhar em equipe. Trabalhamos com voluntários que se impõe à disciplina de ajudar no crescimento da igreja local. É igualmente importante que tais colaboradores procurem aprender sempre e que sejam dóceis.

2. Instruídos e delegados para a missão.
A missão deles consistia em representar o mestre junto às aldeias e cidades. Para essa missão, eles foram chamados de apóstolos, que significa “enviado”. Antes, porém, de serem enviados, foi necessário dar-lhes treinamento e delegar-lhes poderes.

2.1. Instruídos aonde ir.
Havia entre os galileus muitas de pessoas que não eram da linhagem hebraica, os apóstolos, porém, deveriam se dirigir às ovelhas perdidas da casa de Israel (Mt 10.5-6). Parece-nos estranho, pois que havia tantas pessoas próximas que precisavam também ser alcançadas. Deus estava comunicando uma nova dispensação e uma salvação perfeita, era justo que começasse pelo povo escolhido primeiro, para depois alcançar os outros. Lembremos que Jesus sabia que chegaria a hora em que seria desprezado, preso e morto. Apesar disso, naquele momento a missão deles foi um sucesso porque o Senhor se viu obrigado a ampliá-la.

Mostre para os alunos num mapa lugares pagãos vizinhos da Galileia. Embora pareça redundante, é importante frisar para os alunos que os apóstolos deveriam ir prioritariamente aos conterrâneos de sua linhagem. Deus é fiel, mas estava agindo diferente e essa era uma nova era que chegara. Comente com os alunos que Ele nada faz sem revelar ao Seu Povo (Am 3.7).

2.2. Delegando poderes.
O Reino dos céus chegará e com ele coisas surpreendentes no que tange ao poder de Deus entre os homens. Os discípulos enviados deveriam pregar sobre isso dizendo: “É chegado o reino dos céus”. Jesus outorgou os poderes do Reino: para curar os enfermos, ressuscitar mortos e expulsar demônios, ou seja, o mesmo poder que operava em Jesus também foi conferido a eles (Mt 10.8). O que Jesus fazia já era surpreendente e eles fariam o mesmo pela fé. As portas do inferno seriam abaladas pela obra de nosso Senhor através dos Seus discípulos, posto que muitos vieram a crer nEle e porque as obras das trevas como enfermidades, possessões e mortes foram desfeitas pelo poder de Deus.

Explique para os alunos que o poder de Deus que operou através dos apóstolos é o mesmo. Comente com os alunos         que, para Deus, não há privilegiados, todos os que crerem e o buscarem exercerão poder contra as trevas em Cristo Jesus. Reforce para os alunos que esse poder é para desfazer o poder destruidor do inferno entre os homens.

2.3. O cuidado que deveriam ter.
Alguns cuidados seriam necessários para que não atrapalhassem a missão (Mt 10.9-13). Eles não deveriam possuir nada que chamasse a atenção para eles mesmos, sem qualquer ostentação de coisas como ouro, prata, duas túnicas, etc. Simplicidade de quem está cumprindo uma missão dos céus entre os homens. Outra coisa importante é que eles deveriam descobrir alguém chave numa localidade, alguém que os acolhesse por causa da mensagem deles. Se eles saudassem a alguém com a paz e essa pessoa fosse digna, seria abençoada com paz. Caso isso não acontecesse, não era ali o lugar de compartilharem a mensagem. Isso nos ensina que não devemos insistir com quem é resistente à Palavra.

Esclareça para os alunos que, quando alguém visita uma casa compartilha a mensagem do Evangelho, deve considerar algumas coisas importantes. Primeiro, prime pela simplicidade, pois o evangelizador não deve chamar atenção para si. Segundo, convém evitar trajes inadequados, linguagem inapropriada ou que pareça ostentar-se. Terceiro, seja simpático, converse olhando nos olhos e deseje a pessoa paz. Comente com os alunos que caso haja retorno tudo indica que poderá fazer um bom trabalho ali naquela família ou localidade. Caso não haja resposta, não perca tempo com quem não quer ouvir a Palavra de Deus e passe adiante.

3. Enviados para a missão.
Os discípulos estavam prestes a ser enviados pelos termos de Israel a fora. Era necessário ainda que recebessem algumas instruções fundamentais e alertas para que não fossem pegos de surpresa.

3.1. Alertas quanto às perseguições.
Nem sempre eles encontrariam um ambiente e pessoas acolhedoras (Mt 10.16-33). Mesmo entre os judeus, seria como se estivessem entre pagãos, postos que encontrariam pessoas hostis. Seria como ovelhas entre lobos, portanto, deveriam ser amáveis como a pomba e prudentes como serpentes. A evangelização é a luta do bem contra o mal pela posse das almas e os evangelizadores encontrarão sistemas religiosos e governos controlados por demônios. Por isso, os servos de Jesus sofrem até hoje humilhações, processos na justiça e violências físicas, ou seja, as mesmas coisas que Ele sofreu (Mt 10.23).

Esclareça para os alunos que uma vez que escolhemos estar do lado de Jesus Cristo e sermos os Seus colaboradores sofreremos perseguição, a não ser que sejamos negligentes e infiéis a Deus. Do contrário, cabe a nós cumprir os sofrimentos restantes do Senhor Jesus através de nossos corpos (Cl 1.24). É extremamente importante destacar para os alunos que não existe vida cristã sem dor, aflições e tribulações (Jo 16.33). Devemos estar dispostos a perder a própria vida por amor a Cristo. Devemos nos submeter à perda do favor dos homens, suportar as dificuldades e negar a nós mesmos muitas vezes ou, então, jamais chegaremos ao céu.

3.2. As dificuldades e recompensas.
Assim que os contatado começassem a ouvir o Evangelho do Reino, como os apóstolos, sofreriam também (Mt 10.42). O grande campo de provas seria a convivência com a família. Como o Senhor exige lealdade exclusiva, haveria desarmonia entre pais e filhos, nora e sogra, etc. Quem quiser se alinhar a Cristo e receber a vida eterna deve colocar os relacionamentos familiares nas mãos de Deus e permanecer fiel a Ele. Mas se alguém amar os seus pais, filhos, bens mais do que a Cristo é indigno dele. As recompensas aguardam os que receberem bem aos enviados em nome de Jesus.

Comente com os alunos que os conflitos por causa do Evangelho estão em curso agora. Ressalte para os alunos que eles não são incomuns, mesmo num país grande e considerado cristão como o nosso. Há pais que se tornam inimigos dos filhos e os convidam a fazer uma escolha – Cristo ou a convivência com eles. Ressalte para os alunos que alguns filhos tomam uma firme decisão e acabam por deixar a casa por amor a Cristo. Neste exato momento da aula, seja guiado pelo Espírito Santo e escolha um(a) aluno(a). Peça a ele(ela) que ore para que os filhos das famílias cristãs possam conhecer intimamente a Jesus Cristo e ter em seus corações o propósito de segui-Lo a qualquer preço.

3.3. A partida para o trabalho.
Depois de convocados, preparados e advertidos dos perigos peculiares à evangelização, os discípulos estavam prontos para irem por todo Israel (Mt 11.1). Mateus omite detalhes sobre o sucesso da missão, porém Lucas não. Eles saíram por todas as aldeias, curando o povo por toda a parte (Lc 9.6). Posteriormente, eles regressaram e, empolgados, trouxeram um positivo relatório (Lc 9.10). Depois de preparados, é hora de partir a contatar as pessoas, posto que preparação demais é perda de tempo e falta de coragem. Temos que aproveitar a liberdade que há em nosso Brasil e compartilhar o Evangelho de modo sério.

Desafie os alunos ao trabalho do Senhor nestes últimos momentos. Comente com os alunos que muitos usam a desculpa da “oração e preparação”, o que demonstra falta de fé e de coragem. Destaque para os alunos que, apesar do tom sombrio do Senhor Jesus Cristo ao falar de perseguição, todavia o relatório dos seus evangelizadores foi positivo, alegre e com muitas curas. Basta obedecer e o Espírito Santo completa a obra. Merece ser especialmente salientado para os alunos que, depois da salvação em Cristo Jesus, o maior tesouro que teremos serão as almas alcançadas neste mundo para a eternidade.

Conclusão.
A missão dos doze discípulos é a nossa missão, pois somos uma extensão deles. Quantos deram suas vidas por fidelidade a Jesus Cristo e por amor a nós, para que o Evangelho atravessasse gerações e nos alcançasse. Agora cabe a nós continuar a cumprir essa missão.

Questionário.
1. Qual era a missão dos discípulos?
R: Representar o Mestre (Mt 10.6-7).

2. A quem os apóstolos deveriam se dirigir?
R: Às ovelhas perdidas da casa de Israel (Mt 10.5-6).

3. Quais poderes do Reino Jesus outorgou a Seus discípulos?
R: Poder para curar os enfermos, ressuscitar os mortos e expulsar os demônios (Mt 10.8).

4. O que os discípulos nem sempre encontrariam?
R: Um ambiente e pessoas acolhedoras (Mt 10.16-33).

5. O que fizeram os discípulos?
R: Eles saíram por todas as aldeias, curando o povo por toda parte (Lc 9.6).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Edição Histórica, Jovens e Adultos, edição do professor, 3º trimestre de 2016, ano 26, Nº 100, Mateus uma visão panorâmica do Evangelho do Rei.

Editora BETEL - Lição 12 A missão dos doze discípulos.

Read more

CPAD - Lição 12 A Evangelização Real na Era Digital.

Aula para o dia 18 de Setembro de 2016

TEXTO ÁUREO
(Hc 2.2)
"Então, o Senhor me respondeu e disse: Escreve a visão e torna-a bem legível sobre tábuas, para que a possa ler o que correndo passa."

VERDADE PRÁTICA
Na era da informação instantânea, somente o Evangelho Eterno para dar esperança à humanidade.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - 2Tm 3.6,7
Informação não é garantia de verdade
Terça - Pv 1.7
O verdadeiro conhecimento vem de Deus
Quarta - Hb 2.4
Virá de Deus a era da informação total
Quinta - Jó 21.14
Os homens não se interessam pelo conhecimento de Deus
Sexta - 1Tm 2.4
A salvação traz o conhecimento que liberta
Sábado - Fp 1.9
O amor aumenta o conhecimento

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Tito 2.11-15
11 - Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,
12 - ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, justa e piamente,
13 - aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo,
14 - o qual se deu a si mesmo por nós, para nos remir de toda iniquidade e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.
15 - Fala disto, e exorta, e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze.

OBJETIVO GERAL
Saber que na era da informação instantânea somente o Evangelho para dar esperança à humanidade.

HINOS SUGERIDOS: 298, 132, 605 da Harpa Cristã

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

Conscientizar de que existem pecadores digitais que estão nas mãos de um Deus real.
Mostrar que precisamos estar com as nossas redes consertadas para Cristo.
Compreender que na era digital a necessidade de evangelização é real.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Vivemos na era da informação e da comunicação, todavia muitos ainda não ouviram nada ou quase nada a respeito do Evangelho de Cristo. Que venhamos utilizar a tecnologia de forma sábia, contribuindo para a expansão do Reino de Deus. Muitos, infelizmente, não fazem um uso correto, inteligente das redes sociais, da tecnologia. Esses, em vez de promoveram as Boas-Novas, espalham mentiras e calúnias contra pessoas inocentes, utilizam a tecnologia para cometer adultério.  Saiba que, mesmo que virtual, o pecado é real e leva ao inferno, caso não haja arrependimento. Outros utilizam as redes sociais para fazer marketing pessoal, promovendo seus eventos, suas agendas, seus nomes. Buscam a fama, porém nunca utilizam as redes para apresentar Cristo aos perdidos.
Alguns crentes têm uma verdadeira aversão às redes sociais, porém elas não são boas ou más; nós é que decidimos de que forma vamos utilizá-las - para a expansão do Reino de Deus e a glorificação do Pai ou como instrumento de iniquidade.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O conhecimento produzido no último século é superior a tudo o que foi escrito, descoberto ou inventado anteriormente. Isso não deve surpreender-nos, porque todo este avanço já estava previsto (Gn 11.6). Entretanto, a era da informação instantânea, apesar de suas facilidades, constitui-se num grande desafio evangelístico. Em nenhum outro momento da História da Igreja Cristã, a pregação do Evangelho viu-se às voltas com tantas concorrências e distrações.
Tendo em vista a realidade da era da informação instantânea, é urgente mostrarmos a esta geração que "Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente" (Hb 13.8). Precisamos nos preparar para evangelizar por intermédio das redes sociais.

PONTO CENTRAL
Estamos na era digital, mas o pecado da humanidade é real e somente o Evangelho de Cristo para dar esperança à humanidade.

I - PECADORES DIGITAIS NAS MÃOS DE UM DEUS REAL
A televisão era vista, por alguns, como a porta do inferno. Hoje, porém, os computadores, smartphones e tablets estão abrindo portas para a evangelização desta geração digital.

1. Pecados em série. Davi, certa vez, ao invés de ir à guerra com os seus homens, resolveu ficar no palácio. À hora da tarde, ele passeava no terraço da casa real, e viu "a uma mulher que se estava lavando; e era esta mulher mui formosa à vista" (2 Sm 11.1,2). Mesmo sabendo que Bate-Seba era esposa de Urias, convidou-a ao palácio, e com ela pecou. O seu adultério levou a instabilidade a todo o Israel.
Hoje, discretamente, a geração digital acessa sites imorais, cujo conteúdo serve para alimentar as concupiscências mais grosseiras, baixas e abomináveis. Como, pois, alcançar esse campo missionário virtual de pessoas reais que caminham para um lago de fogo também real? (Ap 21.8). Não podemos fugir a esse desafio. A Igreja do Senhor precisa produzir conteúdos bíblicos de excelente qualidade, que se contraponham a essa avalanche pornográfica.

2. Rede de intrigas. Ammon, filho de Davi, utilizou-se de uma rede sofisticada de relacionamentos, administrada por Jonadabe, a fim de seduzir sua meia irmã, Tamar (2 Sm 13.1-14). E, assim, utilizando como pretexto amor e doença, estuprou a jovem, levando a vergonha e o ódio à casa real de Israel.
Se por um lado, as redes sociais facilitam encontros e contatos entre amigos e parentes distantes, por outro, têm multiplicado traições, adultérios e a destruição de lares. Esse efeito nocivo pode ser minimizado, senão anulado, se cada crente as utilizar para ganhar os pecadores digitais para o Cristo real. 

3. O e-mail fatal. A fim de encobrir o seu pecado, Davi escreveu uma carta a Joabe, na qual arquitetava a morte de Urias, marido de Bate-Seba. Nesse intento, ordenou ao pobre Urias que a levasse ao destinatário (2 Sm 11.14-16). O final desta história não poderia ser mais triste. Através da espada dos filhos de Amom, Davi matou um de seus melhores capitães (2 Sm 12.9).
O correio eletrônico facilita-nos o dia a dia, encurta-nos as distâncias e ajuda-nos a resolver pendências. Infelizmente, essa ferramenta tão útil vem sendo utilizada também para arruinar reputações, caluniar e até matar. Nós, porém, vamos utilizar esta ferramenta para comunicar vida através do Evangelho de Cristo. Utilize seu e-mail para divulgar a Palavra de Deus, e, nas mensagens, seja breve e objetivo.

SÍNTESE DO TÓPICO I
Muitos pecadores digitais estão nas mãos de um Deus real.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
"Fomos chamados para ser diferentes, porque o Senhor é diferente. Deus se revela como 'santo' (hb. qadosh) , e o aspecto essencial de qadosh  é a separação daquilo que é mundano, profano e corriqueiro, e a separação para seus propósitos. Os mandamentos dados a Israel exigiam que fosse mantida a nítida distinção entre as esferas do comum e do sagrado (Lv 10.10). Tal distinção tinha seu impacto sobre o tempo e o espaço (o sábado e o santuário), mas visava ao indivíduo de modo mais relevante. Tendo em vista que Deus é diferente de qualquer  outro ser, todos os que lhe são submissos devem também estar separados - no coração, nas intenções, na devoção e no caráter - para Ele, que é verdadeiramente santo (Êx 15.11).
Deus, por sua própria natureza, está separado do pecado e da humanidade pecaminosa. A razão por que nós, seres humanos, somos incapazes de nos aproximar de Deus, em nosso estado de pecado, é porque não somos santos. Na Bíblia, a questão da 'impureza' não está relacionada à  higiene, mas à santidade. As marcas da impureza compreende: algo quebrado ou defeituoso, o pecado, a violação da vontade de Deus, a rebelião e a permanência no pecado" (HORTON, Stanley. Teologia Sistemática: Uma perspectiva pentecostal. 1ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996, p. 139).

II - CONSERTANDO A REDE PARA CRISTO
Tiago e João estavam no barco, junto com o seu pai, Zebedeu, consertando as redes, quando foram chamados por Jesus (Mc 1.19,20). Hoje, quem se propõe a falar de Cristo aos pecadores digitais tem uma grande rede a consertar: a internet evangelística.

1. Vocação. Falar de Cristo através da Internet é um ministério que exige vocação, pois o ambiente da rede global de computadores acha-se poluído com sites ruins e falsos, que acabam pregando outro evangelho (Gl 1.6). É nesse ambiente que a sua página tem de fazer toda a diferença. E tome cuidado com os vírus doutrinários, pois são fatais.
Na Internet, tanto a rede quanto o anzol são indispensáveis (Mt 17.27; Jo 21.11). Por isso, evangelize coletivamente e não deixe de discipular individualmente. O campo é virtual, mas a pessoa do outro lado é real.

2. Mensagem. Quem é vocacionado a evangelizar pela Internet precisa ter uma mensagem bem definida: o evangelho puro e simples de Cristo (1 Co 2.2).

3. Habilidade. Para se evangelizar pela Internet, requerem-se do evangelista, além da vocação e da mensagem, habilidades específicas. Por esse motivo, ele deve saber como manusear um site ou um blog. Em suma, ele deve saber usar a rede e consertá-la para que seu trabalho seja frutífero.

SÍNTESE DO TÓPICO II
Jesus deseja nos usar na evangelização, mas precisamos estar com nossas redes consertadas.

SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
Professor, aproveite o tema abordado nesse tópico para enfatizar que "o crente, seja ele pastor, evangelista, missionário, escritor, ensinador, diácono, ou apenas membro da igreja, se não estiver ocupado, procurando trazer pessoa a Cristo, está falhando em seu dever na obra de Deus (cf. Mt 28.19; Lc 5.10; Jo 15.16)"(Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 1391).

CONHEÇA MAIS
*"Por um homem (8.26-40)
Talvez o dado mais intrigante na história tenha sido a ação de Deus ao afastar Filipe de uma campanha evangelística efetiva que estava alcançando centenas e levando-o a testemunhar a um único indivíduo. Jamais nos esqueçamos de que para Deus toda pessoa é importante. Nosso testemunho a uma única pessoa é tão importante como o evangelismo em massa, destinado a alcançar a milhares." Para conhecer mais, leia Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p. 715.

III - EVANGELHO REAL PARA PESCADORES DIGITAIS
A evangelização dos pecadores digitais, para ser bem-sucedida, tem de levar em conta alguns fatores. 

1. Fator Habacuque. A mensagem pela Internet há de ser clara, breve e objetiva (Hc 2.2). Doutra forma, o que passa correndo pelos sites, em busca de novidades, jamais será alcançado pelo Evangelho. Portanto, nada de mensagens prolixas, cheias de parênteses e subjetivismos.
Seja direto e incisivo. Você pode, em alguns minutos, expor eficientemente o Plano da Salvação. Otimize este tempo, incluindo o apelo e a oração.

2. Fator Eliseu. O profeta Eliseu era reconhecido, por todo o Israel, como um autêntico homem de Deus (2 Rs 4.9). Que nossos sites e páginas sociais, pois, venham a glorificar a Cristo. Quem nos visita digitalmente tem de saber que temos um compromisso real com o Evangelho de Cristo.
Por esse motivo, não se envolva em questões polêmicas que geram brigas e discussões. Cuide de sua reputação. Você constatará que, em muitos casos, sua postura será suficiente para levar almas aos pés de Cristo. A exortação do apóstolo não pode ser ignorada: "Fala disto, e exorta, e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze" (Tt 2.15). 

3. Fator Paulo. Chegando a Atenas, Paulo encontrou um ponto de contato evangelístico, ao deparar-se com o altar dedicado ao Deus Desconhecido (At 17.23). Esteja, então, inteirado quanto aos eventos, problemas e crises que atingem a sociedade. A partir de um ponto de contato inteligente, introduza eficazmente o Evangelho de Cristo.

4. Fator Filipe. Ao ouvir que o oficial de Candace, rainha dos etíopes, lia o profeta Isaías, Filipe não perdeu tempo com uma abordagem sutil. Mas, de maneira direta, perguntou-lhe: [...]"Entendes o que lês?" (At 8.30). Quem se dedica à evangelização, na Internet, deve estar sempre preparado para interpretar a Palavra de Deus, pois a internet é um universo infestado de vírus doutrinários.
É indispensável ao evangelista digital um preparo real. A recomendação de Paulo não pode ser desprezada: "Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade" (2 Tm 2.15).

SÍNTESE DO TÓPICO III
Precisamos pregar o Evangelho real para os pecadores digitais.

SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ
"O ministério de Cristo foi voltado integralmente para os pecadores. Certa feita, Jesus foi criticado porque se alimentava com pecadores e retrucou os seus acusadores: 'Os sãos não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores' (Mc 2.17). Todo pecador tem a oportunidade de reatar a sua comunhão com Deus. Jesus foi enviado pelo Pai a fim de atuar como intermediário entre os homens e o Criador e trabalhar em nossa reconciliação.
Já ouvi algumas pessoas dizerem que se acham muito pecadoras, pois já cometeram muitos pecados. Costumo dizer: 'Para você que se considera um pecador, existe um grande Salvador, Jesus Cristo'. Você já pensou o que poderíamos fazer com um homem que ameaçava seus semelhantes, agredia, conduzia seus oponentes para a prisão e chegou a participar de crimes? Talvez você pense que este homem de quem estou falando tem características de um terrorista, por isso merece o cárcere. Pois bem, este homem é um personagem real que tem sua história registrada na Bíblia e ele se chamava Saulo, da cidade de Tarso.
Certo dia, Saulo viajava para uma região com o propósito de perseguir os cristãos por lá, e o Senhor Jesus se revelou para ele. Foi na estrada para Damasco que este homem teve o encontro mais importante de sua vida.
Outro exemplo foi o do rei Davi, que ordenou a morte de Urias, soldado a seu serviço, a fim de encobrir o pecado de adultério que havia cometido com a sua esposa Bate-Seba, mas ele reconheceu seu pecado e confessou o seu erro, e Deus o perdoou. Davi sofreu as terríveis consequências de seu erro, mas foi perdoado pelo seu arrependimento sincero.
A Bíblia afirma que 'o que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia' (Pv 28.13)" (WELLINGTON, José. Há Perdão em Cristo para o Pecador Arrependido. CPAD News. Rio de Janeiro, agosto, 2013. Disponível em: < http://www.cpadnews.com.br/blog/josewellington>. Acesso em: 7/04/2016).

CONCLUSÃO
A evangelização pela Internet tem como alvo alcançar os pecadores digitais. Levemos em conta, ainda, as pessoas que, sentindo-se desprezadas, refugiam-se nesse universo irreal e fantasioso. Elas também são alvo da mensagem evangélica. Há muito trabalho a ser feito tanto no mundo real quanto no digital.
Nossa missão consiste em falar de Cristo a todos, por todos os meios. Onde estiver um pecador, aí estaremos nós, real ou digitalmente, para anunciar que Jesus Cristo salva, batiza com o Espírito Santo, cura as enfermidades e, em breve, virá buscar-nos. Aguardemos, pois, [...] "a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo" (Tt 2.13).

PARA REFLETIR
A respeito da evangelização na era digital, responda:

O que caracteriza a era da informação?
Informação acessível e em tempo real.

Cite alguns aspectos do pecado na era digital.
Pecados em série, rede de intrigas e e-mail fatal.

Como deve ser o evangelista na era digital?
O evangelista deve ser alguém que, além da vocação, da mensagem e habilidades específicas, deve saber como manusear um site ou um blog. Em suma, ele deve saber usar a rede e  consertá-la para que seu trabalho seja frutífero.

Cite algumas das características da evangelização na Internet.
A mensagem de evangelização pela Internet há de ser clara, breve e objetiva.

O que é o fator Habacuque?
É a evangelização na internet de forma direta e incisiva.

CONSULTE
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 67, p42. Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos.

Fonte: CPAD, Revista, Lições Bíblicas Adultos, O desafio da Evangelização, professor, 3º trimestre 2016.

CPAD - Lição 12 A Evangelização Real na Era Digital.

Read more