terça-feira, 18 de julho de 2017

O milagre vai acontecer com o que você já tem.

2 Reis 4.2b - “Tua serva nada tem em casa, a não ser uma vasilha com azeite!”.
Uma história muito interessante é esta da viúva, uma mulher normal, comum, uma mulher que ficara viúva a pouco tempo e que o marido havia lhe deixado uma dívida que ela não conseguiria pagar. Uma dívida que custaria seus dois filhos se Deus não entrasse com providencia neste exato momento.

Para entendermos melhor a situação dessa viúva, permita-me lhe explicar que ela era viúva de um dos filhos dos profetas, um dos discípulos dos profetas um dos alunos de Elizeu, como descreve o escrito no início do primeiro versículo. Alguém lendo possivelmente no livro de heresiático ou inventares, descobriu que esta mulher era viúva de Obadias, o mordomo do Rei Acabe, mas esta especulação não pode ser comprovada em textos bíblicos, uma vez que ao mesmo tempo um é mordomo do rei e outro é aluno de uma escola de profeta. Veja as referências 1Rs 18.3, 2Rs 2.15, 4.1, 4,38 e 6.1 para entender melhor a diferença.

O importante é entendermos que esta mulher tão logo a situação apertou, correu em busca do profeta, do homem de Deus. Aqui eu tiro a primeira palavra profética para você hoje. Tá esperando o que mais??? Corre logo para os pés do Senhor, entregue essa situação, esta luta nas mãos dEle e Ele te dará uma solução
A viúva corre aos pés do Senhor, neste caso representado pelo profeta e conta logo o que está acontecendo. Pare de segurar a bomba em suas mãos, procures seu pastor, sua pastora, o líder de sua célula, seu grupo familiar, seu pequeno grupo e abra o jogo, para de ficar sofrendo sozinho, Deus usará seu líder para trazer uma solução para tua vida.

Quando ela diz que tem uma dívida, o profeta lhe interroga duas vezes: “O que eu posso fazer? O que você tem em casa?”. É logico que ela não tinha dinheiro pra pagar a conta, se tivesse ela não teria vindo até ele. Aqui há algo guardado nas entrelinhas que me chocou quando recebi a revelação do Espirito Santo: “Deus vai usar o que você já tem, o que você possui para fazer o milagre que você precisa.”.

Deus hoje só quer que você reconheça o que você tem, que você seja grato pelo que você tem. A resposta da viúva em muito se parece com nossas reclamações: “Eu não tenho nada!”. Ela tinha uma casa, tinha filhos, tinha amigos, tinha uma botija, tinha azeite, tinha roupas, tinha panelas... E você, o que você tem? Nada? Já pensou se durante a noite Deus resolvesse destruir tudo o que você possui e deixasse intacto só o que você agradeceu hoje?

Deus quer usar o que você tem para fazer um milagre extraordinário na área que você precisa, mas para que Ele saiba o que você tem, comece a agradecer todas as vezes que você for orar, agradeça pela casa, pelo aluguel que consegue pagar em dia, pelo trabalho, pela família, pelos amigos, pela vida, pelo dinheiro que você recebeu no seu salário, enfim, faça uma lista do que você possui e comece a agradecer todos os dias.

A partir do momento que você começar a agradecer pelo que tem em vez de reclamar pelo que falta, Você viverá um milagre de Deus.

Leia Tambem:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

sábado, 15 de julho de 2017

Fuja da contenda!

Gênesis 13.9 – “Não está toda a terra diante de ti? Eia, pois, aparta-te de mim; e se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda.”.
Fuja da contenda!

Essa passagem na vida do pai da fé, Abraão, acontecida há aproximados seis mil anos atrás, nos ensina uma lição que pode ajudar a melhorar nossa vida e nosso convivência nesta época em que vivemos. Quando Abrão sai de sua terra e de sua parentela, após receber esta ordem de Deus, ele leva consigo seu sobrinho Ló.

Esse caso é entendido como uma desobediência por parte de Abrão, mas em parte nenhuma das escrituras é confirmado como sendo indisciplina, pode ter acontecido pelo simples fato de o Jovem Ló ter ficado órfão pela segunda vez, uma vez que seu pai e também seu avô haviam morrido (Gn. 11. 28 e 32), possivelmente o patriarca o tenha adotado.

Tudo ia bem entre eles, mas em determinada parte do caminho começaram a surgir contendas, confusões, desacordos entre os pastores de Abrão e os pastores de Ló, a versão King James Atualizada da bíblia chega a dizer que os pastores brigavam.

O fator que me chama a atenção é a rapidez que Abrão se propõe em resolver o problema, no versículo sete do capítulo treze é narrado o princípio da confusão e no versículo oito o patriarca já tomou a decisão que resolveria de uma vez por todas o problema que acabara de surgir. Abrão propõe a seu sobrinho Ló que ambos tomem rumo diferentes, que não continuem mais no mesmo lugar e nem juntos.

Mais de três mil anos depois o profeta Amós escreveu no capítulo três, versículo três “Ora, duas pessoas poderão caminhar lado a lado se não tiverem de acordo?”, até os dias de hoje se forem observadas essas orientações, muitos problemas serão evitados.

O que atrapalha muitas pessoas de receberam sua benção, de chegarem a sua vitória é insistir um pouco mais quando o correto seria “sair fora”. Não está dando certo? Não gosta? Não compactua da ideia? Não gostou da atitude? Não concorda? Não prorrogue sua decisão, tome uma atitude agora! Não espere um pouquinho mais, não dê uma segunda chance, não continue no “meio”!

Abrão resolveu na hora tomar destinos diferentes, ele poderia ter tentado resolver o problema e continuar junto, com seu sobrinho, mas preferiu evitar que o problema renascesse e viesse afronta-lo novamente.  Decisão semelhante foi tomada pelo garoto Davi no primeiro livro de Reis, capitulo 17, versículo 51, tão logo o gigante cai atordoado com a pedrada, Davi decepa sua cabeça, como garantia que não precisaria enfrentar aquele gigante nunca mais em sua vida.

Deus, hoje enquanto você lê este artigo, te dará muita graça para que identifique os problemas, pessoas e relacionamentos que precisam ser exterminados de uma vez por todas de sua vida. Não endureça o seu coração, evite a contenda, fuja da confusão, sai fora de toda espécie de polêmica, por mais certo e com razão que se sintas, isso não te trará benção alguma.

Fuja de toda aparência do mal hoje e se prepare para viver o melhor de Deus em tua vida.

Leia Tambem:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

terça-feira, 4 de julho de 2017

Editora Betel - Lição 01 - A tarefa de testemunhar Cristo.

Editora Betel - Lição 01 - A tarefa de testemunhar Cristo
Aula para o dia 02 de julho de 2017

Texto Áureo
Atos 1.8
“Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra”.

Verdade Aplicada
A Palavra de Deus jamais volta vazia. Evangelizar é testemunhar acerca de Cristo, anunciando o plano divino de salvação.

Objetivos da Lição
Ensinar sobre o evangelismo e a responsabilidade de cada cristão;
Mostrar a necessidade de evangelizar urgentemente;
Apresentar as qualidades de um bom evangelizador.

Glossário
Ênfase: Importância dada a um assunto;
Incumbência: Encargo, missão, obrigação;
Repentina: Que surge ou ocorre de súbito; inesperado.

Leituras complementares
Segunda Pv 11.30
Terça Pv 24.11
Quarta Mt 28.18-20
Quinta Jo 4.34
Sexta Jo 9.4
Sábado Jo 13.15

Textos de Referência.
Marcos 16.15-19
15 E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
16 Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
17 E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão os demônios; falarão novas línguas;
18 Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão.
19 Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu e assentou-se à direita de Deus.

Hinos sugeridos.
149, 409, 430.

Motivo de Oração
Ore para que mais pessoas conheçam a Jesus Cristo.

Esboço da Lição
Introdução
1. O evangelismo e sua essência.
2. Por que devemos evangelizar?
3. O perfil de um bom evangelizador.
Conclusão

Introdução
As últimas palavras de Jesus, após a ressurreição e antes da ascensão, enfatizam a responsabilidade de Seus discípulos na continuação de Sua obra, isto é, alcançando todos os povos “até os confins da terra” (At 1.8; Mt 28.18-20).

1. O evangelismo e sua essência.
A tarefa de evangelizar se baseia no plano de Deus em alcançar toda a humanidade e na ordem de Jesus Cristo. Assim, nossa motivação deve ser a glória de Deus, por ser o Criador e Senhor de todas as coisas. E também por ser uma questão de obediência (Mt 28.18-20). O ide de Jesus é para todos, indistintamente (At 1,8).

1.1. A vital importância do evangelismo.
Não existe algo mais gratificante para ser um humano do que participar na recuperação ou transformação de alguém. Como servos de Deus, existe um gozo inexplicável em conduzir uma alma aos pés de Cristo. Essa é uma experiência sem par. Além de ser uma grande honra, a tarefa de evangelizar é para o salvo como uma respiração. Foi para isso que Cristo nos nomeou (Jo 15.16). A tarefa de ganhar almas não se aplica somente aos pastores, mas a todos. Enquanto muitos cristãos deleitam-se nos cultos comodamente, a seara cresce e o ide aos perdidos não é concluído (Mc 16.15; Jo 4.35).

O mundo vive uma intensa batalha no mundo espiritual. A intenção do inimigo é sempre lançar a incredulidade e cegueira para que os perdidos não alcancem a salvação (2Co 4.3; 10.4). O Evangelho é luz para esse mundo de trevas, é a chave que liberta o oprimido das garras de Satanás. Se não pregarmos, eles não poderão ser salvos. Por isso, a vital importância de evangelizarmos (Rm 10.14).

1.2. O alcance do evangelismo.
A igreja não está limitada ao espaço físico do templo. Por esse motivo, o evangelismo é indispensável (At 5,42; 8.4). A pregação, num culto público, nem sempre alcança a necessidade de todos os ouvintes. Cada pessoa no culto possui problemas espirituais diferentes. O evangelismo pessoal proporciona oportunidade para a pessoa evangelizada abrir seu coração, expor suas dúvidas e ser esclarecida acerca de Cristo e do plano da salvação. A ordem é ir até as pessoas e lhes anunciar a salvação (Rm 10.14). A Igreja Primitiva cresceu porque seus membros compreendiam a necessidade de testemunhar acerca de Cristo (At 2.44-47). A Bíblia diz que é sábio o que ganha almas (Pv 11.30).

O evangelismo promove o crescimento da Igreja. A semeadura da Palavra de Deus é importante e necessária, não somente para o crescimento da Igreja, mas também para nos trazer experiências e nos mostrar como a Palavra de Deus é poderosa quando anunciamos com amor e na virtude do Espírito Santo (At 4.4; 5.14). A evangelização dos pecadores pertence a todos os salvos. Cada cristão pode e deve ser um ganhador de almas.


1.3. Evangelizar é falar do sacrifício de Cristo.
A vontade de Deus é que nenhum homem se perca. Mas que venha ao conhecimento da verdade (2Pe 3.9). Deus mostrou Seu amor para com a humanidade enviando a Jesus Cristo para salvá-la. É preciso que toda a humanidade conheça o motivo da vinda de Jesus Cristo e o significado de Sua morte, ressurreição e ascensão (Jo 3.16; Lc 19.10). É por esse motivo que devemos anunciar a todos os povos, línguas e nações que Jesus Cristo não somente morreu por nossos pecados, mas nos deu a oportunidade de nos tornarmos filhos de Deus (Jo 1,12). Jesus Cristo foi o evangelista por excelência. Ele tinha plena consciência sobre a necessidade de esclarecer as multidões acerca do Reino de Deus e da salvação. Como discípulos de Jesus, precisamos ser movidos por esse mesmo sentimento (Mt 10.25; Jo 13.15).

A morte e a ressurreição de Jesus Cristo são o documento legal que promove a liberdade de todos os cativos do mundo. A carta de acusação que era contra nós foi cravada na cruz e, em Jesus Cristo, nenhuma condenação há para aqueles que nEle creem (Rm 8.1; Cl 2.14). O verdadeiro discípulo de Jesus Cristo deve estar envolvido nesse mesmo propósito, que é salvar os perdidos através da pregação da Palavra de Deus. Envolver-se com a evangelização é dar continuidade ao que Cristo começou. Devemos ser responsáveis porque um dia iremos ter que dar conta de nossa mordomia (1Pe 2.21).

2. Por que devemos evangelizar?
Jesus deu uma ordenança para os Seus discípulos: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16.15). O Evangelho “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Rm 1,16).

2.1. Porque é uma ordenança.
Jesus voltará e entre a ordem e Sua vinda o tempo é curto. Outro fato que devemos atentar é que Jesus ao enviar Seus primeiros discípulos deixou bem claro essa necessidade: “Quem crê nele não é condenado: mas quem não crê já está condenado” (Jo 3.18; 1Jo 5.12). O destino do pecador sem Jesus é simplesmente a perdição e o inferno. Ele também expôs o motivo de Sua vinda: “Porque o filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lc 19.10). Por fim, a notificação acerca da salvação da humanidade é incumbência nossa. O discípulo de Jesus Cristo deve atuar por obediência e ser dominado pelo amor que Cristo tem por nós.

Não devemos agir somente porque recebemos uma ordenança, mas, sim, porque, ao nos tornarmos salvos, o amor de Cristo se apossou da nossa vida e, como gratidão, é nosso dever avisar aqueles que ainda vivem num mundo de trevas (Mt 5.14; Jo 8.12). O grande amor demonstrado por Cristo no Calvário deve nos constranger e impactar (2Co 5.14).

2.2. Porque a morte não espera.
Não podemos precisar o tempo estimado de vida de cada pessoa. As oportunidades de salvação podem ser únicas. Vivemos em um mundo conturbado, violento e cego (2Co 4.4). Cada ser humano nasceu com um tempo de vida determinado pelo Pai e não sabemos quando a morte chegará. Para uns, ela é repentina. Para outros, ela demora um pouco mais. Porém, mais cedo ou mais tarde, ela virá. E a pergunta é: quando ela vier, como será? Tal pessoa estará preparada? Ela foi avisada que após a morte segue-se o juízo divino? (Hb 9.27). E a quem ficou encarregada a missão de avisar? (Ez 33.6-9).

A nossa missão como servos e filhos de Deus é tornar conhecido o plano divino de salvação e avisar aos perdidos sobre o grande dia da vinda do Senhor. Nós temos a palavra de salvação, somos a luz que deve resplandecer em meio às trevas (Fp 2.15).

2.3. Porque a vinda do Senhor se aproxima.
O arrebatamento da Igreja será a qualquer momento (1Ts 4,16-17). Estamos vivendo os últimos momentos da Igreja e o tempo não é favorável para aqueles que ainda não foram avisados. Deus nos confiou a palavra de liberdade e de boas novas. Ele não convocou os anjos para essa tarefa. Precisamos acordar e agir o quanto antes. Paulo foi enfático acerca de nossa responsabilidade: “Porque, se anuncio o evangelho, não tenho que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!” (1Co 9.16).

Devemos ser bastante gratos a Deus por causa da liberdade religiosa que há em nosso país. Existem muitos países em que a pregação da mensagem do Evangelho é extremamente proibida. Lugares onde aqueles que declaram ser cristãos e pregam a Palavra de Deus correm o risco de serem presos, torturados e até assassinados. É importante ressaltar que a Bíblia é o livro mais importante para o cristão (Sl 119.105). Ao mesmo tempo é um item muito difícil de ser encontrado, se você é um cristão secreto e vive em lugares onde a Bíblia é um livro proibido. Na Ásia Central, na maioria dos países, o governo proíbe a importação e a impressão de Bíblias e livros cristãos. Muitos cristãos secretos ainda não têm acesso a bíblia, e outros recebem partes da Palavra de Deus, como os evangelhos e outros livros. As condições ainda são favoráveis para nós no Brasil e nossa missão é anunciar a tempo e fora do tempo (2Tm 4.2). Nosso Senhor Jesus Cristo está às portas e os sinais de Sua vinda são muito claros. Precisamos urgentemente ir ao pecador, falar da salvação; dizer-lhe que ainda há esperança; que Jesus Cristo deu a vida por ele, que Ele quer libertá-lo dos seus pecados, que o ama e pode dar-lhe uma nova vida (Jo 3.16).

3. O perfil de um bom evangelizador.
Devemos ter em mente que, para alcançar os perdidos, precisamos ter profunda compaixão pelas almas, para transpormos as barreiras entre os seres humanos (Jo 4,9).

3.1. Aquele que não tem preconceito.
Devemos lembrar quem éramos e o que aconteceu conosco após Cristo entrar em nossas vidas. Havia uma barreira imensa entre nós e Deus, Cristo foi o responsável por estarmos hoje de posse de tão grande salvação. Foi preciso que Jesus fizesse a nossa reconciliação com o Pai. Portanto, não existe mérito algum de nossa parte pelo que somos (Ef 2.8-13). Existem pessoas que jamais entrarão em um templo. Como ouvirão se não formos até elas? (Rm 10.14). Evangelizar é deixar de lado as diferenças, é envolver-se socialmente e confiar que o Deus que envia também está conosco para nos ajudar (Mc 16.15; Mt 28.20).

Os preconceitos são a causa de grandes males na sociedade em que vivemos. Eles sempre nos impedem de ver o que há de melhor nas pessoas e em nós mesmos. Jesus veio a esse mundo para desfazer todas as barreiras que separam o homem de Deus (Ef 2.13-14), No diálogo entre Jesus e a mulher samaritana, a barreira do preconceito foi lançada fora (Jo 4.9). Não podemo0s permitir que tais sentimentos nos impeçam de anunciar a maravilhosa e inerrante Palavra de Deus (2Tm 3.16).

3.2. Aquele que conhece bem a Palavra de Deus.
“E correndo Felipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar?” (At 8.30-31). O diálogo entre Felipe e o eunuco mostra perfeitamente como muitas pessoas necessitam ser esclarecidas acerca da salvação. Por isso, é de suma importância que aquele que se dispõe a falar de Cristo conheça o manual que registra a salvação em Cristo Jesus (2Tm 2.15). Precisamos estar prontos para responder e esclarecer o ouvinte acerca de quem nos salvou (1Pe 3.15). Existem pessoas que conhecem muito a Bíblia, todavia, como esse eunuco, precisam de alguém que lhes explique como alcançar a salvação.

Não é somente para evangelizar que devemos conhecer a Bíblia. Nossa vida diária precisa de edificação. É preciso compreender que foi através da Palavra de Deus que conhecemos o amor e a ação de Deus por nós. Sem ela, ainda estaríamos por aí perdidos. Quando nosso coração está cheio de Deus, nossa boca fala somente do Reino de Deus (Mt 12.34). Para se ganhar almas é preciso ter conhecimento das Sagradas Escrituras (At 8.35). Principalmente, porque a fé vem pelo ouvir a Palavra, tanto para nós quanto para aqueles que nos ouvem (Rm 10.17). Muitos têm fome de conhecer a Palavra de Deus e é nossa tarefa primordial compartilhar das Sagradas Escrituras, sempre com sabedoria e discernimento do Espírito Santo.

3.3. Aquele que tem profunda paixão pelos perdidos.
“Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.” (Jo 4.10). Ali, próximo ao poço, com o sol intenso do meio-dia e com fome, estava Jesus, rejeitando o almoço para saciar a fome de um uma alma perdida (Jo 4.34). Jesus sabia que aquela alma era preciosa, que possuía sérios problemas morais e espirituais. Mesmo assim, não se importou em ser mal interpretado, e nem permitiu que o preconceito entre judeus e samaritanos o impedisse. Jesus amava as almas e devemos também buscar esse mesmo sentimento (Fp 2.5).

A compaixão não é somente o ato de se importar com os problemas alheios. A compaixão nos leva ao encontro do necessitado e nos faz ajudá-lo. Em muitos milagres realizados por Jesus Cristo, o primeiro detalhe que a Palavra de Deus nos apresenta é o sentimento de compaixão que Ele sentiu (Mt 14.14; 20.34; Lc 7.13).

Conclusão.
A obra de Deus é feita com seriedade, preparo e amor, Falar de Cristo requer alguns cuidados essenciais, principalmente uma vida prática. Somos testemunhas ambulantes da obra de Cristo. Se nosso testemunho for diferente de nossas ações, teremos sérios problemas diante das pessoas (Fp 2.15).

Questionário.
1. Em que se baseia a tarefa de evangelizar?
R: No plano de Deus em alcançar toda a humanidade e na ordem de Jesus Cristo (Mc 16.15).

2. Qual a vontade de Deus para a humanidade?
R: Que nenhum homem se perca (1Pe 3.9).

3. Por que devemos evangelizar?
R: Porque é uma ordenança (Mc 16.15-18).

4. Cite uma razão que dê urgência à evangelização.
R: A vinda do Senhor (1Ts 4.16-17).

5. Cite uma característica indispensável ao ganhador de almas.
R: Profunda compaixão pelas almas (Jo 4.9).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Evangelismo, Missões e Discipulado, A tarefa primordial da igreja, Jovens e Adultos, edição do professor, 3º trimestre de 2017, ano 27, Nº 104, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Conteúdos interessantes que separamos para você:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ele está escrevendo um final feliz para sua história!

Lucas 15:9 – “E achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.”

Ele está escrevendo um final feliz para sua história!
O capítulo de número 15 do evangelho de Lucas é um dos textos muito interessante, nele eu encontro três motivos para profetizar sobre tua vida que a tua história não acabará assim. Aqui eu tenho três motivos para te dizer: “Fica em paz! Vai dar tudo certo! Ele está escrevendo um final feliz para sua história!”.

Jesus está nesta ocasião cercado de publicanos, pecadores, fariseu e escribas, ou seja, um auditório que queria mais achar um motivo para detona-lo do que pessoas que realmente queriam ouvir uma palavra profética, uma palavra de benção ou de vitória! Eu não sei em que grupo você se encaixa, mas assim como o Mestre, a palavra que eu tenho para tua vida hoje é profética da parte de Deus!

Jesus para falar com aquele povo usa a tática das parábolas, Ele inventa três histórias e as conta para o povo. A primeira história é deum fazendeiro que tinha cem ovelhas, em determinado ponto ele conta suas ovelhas e descobre que uma havia desaparecido, ele guarda as noventa e nove restantes e sai em busca da que havia desaparecido. Ao retornar para casa com a ovelha encontrada o fazendeiro convoca os amigos e faz uma festa para comemorar.

A segunda história é de uma mulher que tinha dez dracmas, dez moedas que na época equivaliam a uma diária de um trabalhador braçal. Determinado dia ela vai contar as moedas e percebe que não são dez mais, são apenas nove, rapidamente ela acende uma candeia, pega uma vassoura e faz uma limpeza na casa até encontrar e moeda. Da mesma forma que o fazendeiro, assim que ela encontra o bem perdido, ela reúne as amigas, e faz uma festa para comemorar.

A terceira história é de um pai que tem dois filhos, um decide ir embora e levar a parte da herança que ele achava que lhe era de direito. O filho gasta tudo que tem e fica pelo mundo como uma espécie de mandigo ou andarilho dependendo da ajuda dos outros para sobreviver. Um dia ele decide voltar pra casa e o pai faz uma grande festa para comemorar.

Você notou que em todas as três histórias alguém perdeu alguma coisa? O primeiro teve prejuízo na sua fonte de renda, a mulher teve prejuízo no seu patrimônio financeiro e o ultimo na família! Mas, não sei se você observou Jesus tem um costume de inventar histórias que mesmo passando por momentos difíceis, no final acaba tudo bem e tem festa para comemorar.

Então, que quero te fazer uma pergunta: Quem está escrevendo sua história?  Muito vão responder: “é Jesus!”. Sim! É jesus que está escrevendo a tua história!

A partir de hoje fique tranquilo, fique em paz, mesmo que alguns dias sejam difíceis e que mesmo assim você não conseguirá vencer. Só parece! Quem está escrevendo a tua história tem este costume mesmo, mas também tem o costume de colocar um final feliz em cem por cento das histórias que escreve e a tua não será diferente. Tome posse desta palavra e se prepare para comemorar, porque o Senhor está escrevendo um final feliz para tua história!

Conteúdos interessantes que separamos para você:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Editora Betel - Lição 12 Judá é levado para o cativeiro da Babilônia.

Editora Betel - Lição 12 Judá é levado para o cativeiro da Babilônia.
Aula para o dia 18 de junho de 2017.

Texto Áureo
Jeremias 52.13
“E queimou a Casa do Senhor, e a casa do rei, e também a todas as casas de Jerusalém, e incendiou todas as casas dos grandes”.

Verdade Aplicada
Os graves erros cometidos por seus líderes fizeram com que o povo de Judá se afundasse cada vez mais em seus pecados.

Objetivos da Lição
Entender o propósito de Deus a respeito do exílio;
Ter a certeza que o Senhor é Soberano entre as nações;
Mostrar as consequências do pecado do povo de Judá.

Glossário
Bel-prazer: Vontade ou prazer individual; vontade própria; arbítrio, capricho;
Exílio: Expulsão da pátria; expatriar-se;
Nostalgia: Melancolia ou tristeza profunda causada em pessoa exilada ou longe de sua terra natal.

Leituras complementares
Segunda Jr 52.28
Terça Jr 52.29
Quarta Jr 52.30
Quinta Jr 52.31
Sexta Dn 1.1
Sábado Dn 1.2

Textos de Referência.

Jeremias 52.14-16, 28
14 E todo o exército dos caldeus que estava com o capitão da guarda, derribou todos os muros que rodeavam Jerusalém.
15 E os mais pobres do povo, e a parte do povo que tinha ficado na cidade, e os rebeldes que se haviam passado para o rei da Babilônia, e o resto da multidão, Nebuzaradã, capitão da guarda, levou presos.
16 Mas dos mais pobres da terra deixou Nebuzaradã, capitão da guarda, ficar alguns, para serem vinhateiros e lavradores.
28 Este é o povo que Nabucodonosor levou cativo no sétimo ano: três mil e vinte e três judeus.

Hinos sugeridos.
63, 115, 127

Motivo de Oração
Ore pelo governo e pela igreja no Brasil.

Esboço da Lição
Introdução
1. O propósito de Deus quanto ao exílio.
2. A convocação ao arrependimento.
3. A hora de voltar para casa.
Conclusão

Introdução
O castigo foi necessário para mostrar ao povo que Deus não havia mudado. Ele queria que o Seu povo retornasse à verdadeira adoração. Ele mostrou Seu grande amor ao trazer Israel de volta após um longo exílio na Babilônia.

1. O propósito de Deus quanto ao exílio.
O povo de Israel foi eleito para ser um povo exclusivo do Senhor. Mas, durante o decorrer dos anos, a nação se desviou dos verdadeiros ensinamentos. Israel estava andando segundo seu bel-prazer, praticando toda sorte de pecados. Estava andando mais para trás do que para frente (Jr 7.23-24). Como se recusaram a ouvir as advertências de Deus, o juízo foi derramado sobre eles.

1.1. As causas que levaram o povo ao exílio.
Este cruel acontecimento havia sido anunciado pelo profeta Isaías ao rei Ezequias (2Rs 20.16-17). A finalidade de Deus era que Israel fosse um povo separado entre as demais nações. Eles teriam a responsabilidade de guiar os outros povos em direção a Deus e ao Messias. No entanto, durante anos, o povo de Israel se esqueceu do Senhor. Os pecados cometidos nos dias de Jeremias, que levaram o povo ao exílio, continuam acontecendo de igual modo nos dias de hoje, tais como: idolatria, assassinatos, desprezos aos profetas de Deus, etc.

O livro de Provérbios afirma: “O Senhor fez todas as coisas para os seus próprios fins, e até o ímpio, para o dia mal” (Pv 16.4). Não há dúvidas de que o rei Nabucodonosor serviu aos desígnios soberanos do Senhor para disciplinar o Seu povo desobediente, pois estavam envolvidos em muitos pecados (Jr 5.30-31). Deus queria que o Seu povo abandonasse os seus pecados e se voltasse para Ele, em reverência e dependência total: “Ele te declarou, ó Homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus”? (Mq 6.8).

1.2. Uma vida sem perspectiva.
O povo de Judá estava disfarçando a sua vida espiritual. Eles estavam cometendo pecado e pensavam que ninguém estava vendo, nem mesmo Deus. O pecado é assim mesmo. Ele ludibria as pessoas, confunde a sua visão, leva-as à fraude espiritual e deixa-as destituídas da verdade. Mas o Senhor vê todas as coisas (Sl 33.13-15). Nos dias de Jeremias, o povo de Judá estava vivendo uma vida dupla. Suas vidas estavam sobrecarregadas de hipocrisia (Jr 6.14). Ou seja, estavam praticando um culto da boca para fora. Era um culto magnífico, mas sem vida, sem amor, sem experiência com Deus. Diante disto, Deus trouxe contra esta nação, que já não mais O adorava, uma série de castigos, culminando na destruição de Jerusalém e o cativeiro do povo.

Quando refletimos sobre a verdadeira adoração a Deus, idealizamos alguma coisa que provém de nós mesmos, a fim de anunciarmos louvor às qualidades de Deus. A Bíblia relata que devemos adorar ao Senhor com todo o nosso coração (Mc 12.30). A adoração simplesmente com os lábios, e não com o coração, é uma adoração fingida. Deus não quer apenas uma parte de sua vida. Ele pede todo o seu coração, toda a sua alma, toda a sua mente e toda a sua força. Que possamos nos achegar ao Senhor com nossos corações, em obediência e amor.

1.3. O cativeiro agora era uma realidade.
As profecias de Jeremias eram concisas como Deus havia dito que era para ser. O profeta Jeremias descreve que: “Babilônia era um copo de ouro na mão do Senhor, o qual embriagava a toda a terra; do seu vinho beberam as nações; por isso, as nações enlouqueceram” (Jr 51.7). O avanço do exército inimigo contra Judá não era simplesmente resultado da cobiça babilônica ou de fracasso na política externa, mas consequência do povo não ter atentado para as diversas advertências divinas desde Moisés, antes mesmo de Israel entrar em Canaã sob o comando de Josué. Hoje, vivemos dias não diferentes de Jeremias, dias de indiferença e rebeldia ao Senhor. Devemos sempre nos lembrar que a atitude do povo de Judá provocou o caos espiritual e o exílio.

Desde a chamada do patriarca Abraão, o povo de Israel deveria ser diferente, isto é, monoteísta (adorar um único Deus), enquanto os demais povos eram politeístas (adoravam vários deuses). Através dos séculos, depois de entrar na terra Prometida, o povo de Israel se deixou vencer continuamente pela idolatria, contrariando os mandamentos do Senhor Deus (Êx 20.3-5).

2. A convocação ao arrependimento.
Em seu livro, o profeta Jeremias nos apresenta um cenário envolvendo a perversão de Judá e de sua consequente derrota para os babilônios. Conforme a rebeldia do povo aumentava, mais vulneráveis se tornavam, sendo incapazes de compreender a vida e a realidade divina.

2.1. Os profetas no exílio.
O profeta Jeremias foi contemporâneo dos profetas Ezequiel e Daniel. Jeremias serviu como profeta de Deus em Judá, enquanto Daniel e Ezequiel foram profetas na cidade da Babilônia. Mesmo no cativeiro, Deus estava cuidando do Seu povo. Jeremias permaneceu em Jerusalém, mas Deus também tinha seus profetas no exílio: Daniel e Ezequiel, pois o Senhor prometeu jamais abandonar o Seu povo (Dt 31.6).

Jeremias desempenhou seu ministério profético na terra de Judá anunciando a destruição de Jerusalém e o cativeiro. Daniel esteve na comitiva em Babilônia, servindo como político no palácio real, e, Ezequiel ministrou para os judeus exilados no campo. O profeta Daniel foi transportado nove anos antes que Ezequiel para a Babilônia. A história de Israel a partir deste ano passou a ser estendida em duas localidades geograficamente separadas, com profetas em Jerusalém (Jeremias) e na Babilônia (Daniel e Ezequiel). Este episódio mudou a história do povo de Deus.

2.2. É preciso louvar ao Senhor.
Os judeus se reuniam no templo de Jerusalém. Neste lugar, todo judeu deveria se dirigir para lá a fim de adorar ao Senhor. Daniel, mesmo no exílio, orava em seu quarto com a janela voltada para a direção de Jerusalém (Dn 6.10). Com a conquista de Jerusalém (Dn 6.10). Com a conquista de Jerusalém por parte dos babilônios, que destruíram o templo e deportaram a população para a Babilônia, o povo não tinha mais terra nem templo. Como era preciso adorar o Senhor, surge neste momento a sinagoga. Assim, a sinagoga passa ser o local do culto judaico, um ponto de encontro dos judeus para as preleções, orações e leitura das Escrituras. Ao se desenvolver entre os judeus as sinagogas, intensificou-se a precisão de cópias das Santas Escrituras para os grupos dos exilados judeus em toda a Babilônia. Mesmo cativo era preciso adorar ao Senhor.

O aparecimento das primeiras sinagogas é atribuído ao período do exílio babilônico, quando os judeus deixaram de ter um templo para venerar e sacrificar ao Senhor. Nesta ocasião, os judeus mais religiosos, passaram a reunir-se numa sinagoga para ouvir a Palavra do Senhor e fazer orações. As sinagogas tornaram-se então as instituições mais importantes para os judeus. Em qualquer local onde tivesse dez judeus, podia ser aberta uma sinagoga. A direção da sinagoga era exercida pelo rabino, o qual era eleito pelos componentes daquele grupo.

2.3. Mesmo no cativeiro Deus cuida do Seu povo.
A nação de Judá foi castigada para mostrar o quanto o Senhor é fiel e verdadeiro. Deus planejou trazer seu povo de volta à verdadeira adoração e mostrar às nações quem era o Deus de Judá. Mesmo habitando com pagãos na Babilônia, o povo eleito do Senhor não poderia se contaminar. Ou seja, a lealdade do Senhor não podia ser negociada de modo algum. A nossa realidade não é diferente. O Senhor nos diz a mesma coisa hoje: Não se contamine! A vida do profeta Daniel nos inspira em todas as fazes da nossa vida. Ele foi um homem leal a Deus da juventude à velhice. Mesmo que as circunstâncias sejam distintas, o mesmo Deus que conduziu o profeta Daniel na Babilônia nos conduzirá em nossa caminhada.

O profeta Daniel tinha uma vida de oração, que lhe impulsionava a não abandonar ao Senhor. Ele começou a buscar o Senhor em oração ainda moço e não sucumbiu, nem mesmo quando já estava em idade adiantada. Daniel entrou para a história porque buscava o Senhor em oração constante. O que aprendemos com Daniel é que, mesmo vivendo escravizado, o Senhor se torna a água para os que têm sede e pai para os órfãos.

3. A hora de voltar para casa.
O profeta Jeremias assegurou que o Senhor resgataria o Seu povo do cativeiro (Jr 30.10; 46.27). Do mesmo modo, Moisés e Salomão, séculos antes, haviam falado sobre uma restauração após o cativeiro (Dt 30.1-5; 1Rs 8.46-53). Outros profetas também asseguravam o livramento do exílio (Ez 39.25-27; Am 9.13-15; Sf 2.7; 3.20).

3.1. A restauração do povo de Israel.
O período que o povo ficou exilado marcou intensamente tanto os que permaneceram em Judá como os que foram transportados para o exílio. Muitos, de formas distintas, viveram o conhecimento da aflição, da nostalgia, do desprezo e a consciência de culpabilidade pela catástrofe que se abateu sobre o reino de Judá. Sem dúvida alguma, um dos períodos mais difíceis e dolorosos. Mas também foi motivo de renovação e retomada da fidelidade a Deus.

Com o exílio na Babilônia surgiriam importantes escritos como de Ezequiel, Daniel e partes dos Salmos. Esses relatos geram a perspectiva do regressar, de um novo êxodo em que Deus mesmo vai ajuntar o seu povo como o pastor reúne o seu rebanho (Is 40.10-11). O exílio na Babilônia e o retorno do povo à terra de Judá foram percebidos como um dos grandes atos principais no episódio da relação entre o Deus de Israel e o Seu povo arrependido.

3.2. O Senhor é Soberano.
Deus possui discernimentos que passam longe de nossos pensamentos. Ele usa quem Ele quer em Suas mãos. Após os setenta anos de cativeiro (Jr 29.10), o Senhor escolheu um rei gentio para executar os Seus planos. O rei Ciro foi um instrumento nas mãos do Senhor para garantir o retorno do Seu povo (Ed 1.1-3). Ele é Soberano e sabe a melhor forma e a quem usar para executar Seus planos.

A Soberania do Eterno Deus é informada nas Sagradas Escrituras que é impossível alguém negar essa doutrina. Deus é declarado como Soberano em cada folha das Sagradas Escrituras. De igual modo, o mesmo Deus governa e administra todas as questões desse mundo por Seu poder (Sl 115,2-3). O Senhor Deus é poderoso para fazer o que quiser, pois tudo é dEle: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam” (Sl 24.1). Sua Soberania envolve Seu Governo e controle de modo absoluto.

3.3. Deus é Deus em qualquer circunstância.
Deus não opera nem do jeito e nem no tempo do homem. Deus já havia levantado o rei dos assírios, Salmaneser, contra o reino do Norte, Israel (2Rs 17.6). Por toda a Escritura, notamos que o Senhor Deus não perde o controle, não se confunde e não é surpreendido. Mesmo quando tudo parece desmoronar e se tornar um caos, o Senhor reina e Seu propósito prevalece (Jó 42.2; Ap 19.6). Assim, o Senhor Deus é poderoso para usar as circunstâncias em favor daqueles que O amam, confiam nEle e a Ele se submetem (Rm 8.28).

Podemos estar sujeitos ao Senhor em todo o tempo. Podemos confiar nEle em tempo de perturbações, dores, angústias e ansiedades. Podemos nos apoiar nEle e na força do seu poder. As circunstâncias mudam, mas Deus nunca muda (Ml 3.6; Hb 13.8; Tg 1.17). Podemos não saber o que o Senhor está fazendo, mas sempre podemos confiar nEle, porque Ele sabe o que é melhor para cada um de nós. Não espere coisas comuns de um Deus que faz maravilhas. Não espere coisas acanhadas de um Deus imponente. Não podemos limitar o atuar de Deus. Ele é Deus e será sempre Deus! Ele nunca fracassou e não falhará jamais!

Conclusão.
Tudo que aconteceu com o povo de Israel foi por causa de sua desobediência, que trouxe como consequência o cativeiro. Deus até nos permite sermos subjugados, mas não para sempre. Isto dura o tempo que for preciso para que aprendamos e cresçamos em Sua presença.

Questionário.
1. O profeta Isaías havia dito a qual rei sobre a incursão babilônica?
R: O rei Ezequias (1Rs 20.16-17).

2. Quem vê todas as coisas?
R: O Senhor (Sl 33.13-15).

3. Mesmo no exílio., o profeta Daniel orava voltado para qual direção?
R: Jerusalém (Dn 6.10).

4. Quanto tempo o povo ficou cativo na Babilônia?
R: Setenta anos (Jr 29.10).

5. Quem o Senhor usou para libertar o Seu povo do cativeiro?
R: O rei Ciro (Ed 1.1-3).

Fonte: Revista de Escola Bíblica Dominical, Betel, Jeremias – Deus convoca Seu povo ao arrependimento, Jovens e Adultos, edição do professor, 2º trimestre de 2017, ano 27, Nº 103, publicação trimestral, ISSN 2448-184X.

Conteúdos interessantes que separamos para você:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

Deus tem planos ao teu respeito. Você sabe quais são estes planos?

Jeremias 29:11 – “Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de causar dano, planos de dar a vocês esperança e um futuro.”.
Deus tem planos ao teu respeito. Você sabe quais são estes planos?

Um dia, há muitos anos atrás, eu li este texto pela primeira vez e foi então que passei a entender porque que muitas vezes a gente planeja algo, investe naquilo, se dedica naquilo e não dá certo, a gente fica frustrado e depois de algum tempo, às vezes, muito tempo, descobre que se tivesse dado certo a gente teria entrado em uma grande furada.

Outras ocasiões a gente nem planeja, mas acontecem coisas inesperadas, negócios de pouco investimentos que nos fazem prosperar e mesmo que a gente não se dedique muito, as coisas vão dando certo, vão se encaixando e no final parece que foi algo muito projetado, muito planejado, quando na verdade é algo que apenas aconteceu.

Mas quando eu li este texto pela primeira vez eu parei e disse para eu mesmo: “Opa!  Espere aí! Aqui está a explicação!”. Embora a gente não planeje, há um Deus todo poderoso que está planejando cada detalhe para que aquilo dê certo, para que aquilo ande no caminho que Ele quer que ande.

Da mesma forma quando a gente planeja, dedica, gasta e as coisas não andam, é porque o plano que Ele tem pra nós é plano de nos prosperar e não de nos causar danos, prejuízos, Ele usa de todos os percalços para tentar nos dissuadir daquilo, para nos fazer desistir, mas nós insistimos e por isso ficamos frustrados quando as coisas não dão certo. Depois de algum tempo Ele cria uma situação para entendermos que aquilo não nos faria bem e é por isso que Ele não permitiu que desse certo.

Olhando para traz em tua vida hoje, você consegue perceber de quantas situações embaraçosas Ele te deu livramentos? Você entende que quantas coisas parecem ter caído do céu para você e não era coisa senão Ele realizando os planos que meticulosamente planejou para você e para tua vida?

Depois que Deus permitiu que eu tivesse esta revelação, pude pôr em prática o que o sábio Salomão escreveu no livro dos provérbios, capítulo dezesseis, versículo três: “Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos.”.

Aprenda hoje esta lição que eu aprendi e que tem sido benção em minha vida, no momento em que você consagra ao Senhor aquilo que você está fazendo, é como se você apresentasse um adendo, uma emenda àquilo que o Senhor planejou a teu respeito e então é como se ele readequasse sua história, reposicionasse as peças da estratégia planejada para tua vida e adicionasse nela a tua vontade também.

Afinal de contas o próprio Jesus vai nos garantir no evangelho escrito por João, capitulo quinze, versículo sete: “Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.”. Guarde esta palavra em teu coração, saiba que Deus está planejando dias melhores para você, para tua empresa e para tua família.  Consagre suas atividades ao Senhor e Ele concederá que os teus planos não se frustrem!


Quem leu esta mensagem também se interessou por:

Seja um grande pregador mesmo com pouco conhecimento bíblico

Conheça o melhor curso para pregador disponivel na internet

Não seja enganado! Saiba tudo sobre a bíblia

Manual do pregador! O melhor treinamento para pregadores do Brasil

Cinco apostilas para melhorar o teatro da sua igreja

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Este problema não é o que parece ser.

Este problema não é o que parece ser.
Marcos 16.3 “E diziam umas às outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?”.

Aquele era um dia negro para os discípulos, para os seguidores de jesus e principalmente para as mulheres que o seguiam. A morte do Mestre havia pego a todos de surpresa, ninguém estava preparado para um momento tão cruel e tão doído para todos. O Mestre, aquele que havia trazido esperanças ao coração de tanta gente sofrida havia sido torturado, morto e sepultado.

As mulheres continuam tendo o mesmo cuidado que sempre tiveram para com aquEle que mudara de uma vez por todas a vida delas. O mestre havia sido morto na tarde da sexta-feira, o corpo foi tirado da cruz e enterrado às pressas em um túmulo emprestado por alguém, mas não dera tempo de cumprir os ritos fúnebres que eram praticados na época.

Com o pôr do sol da sexta-feira, entrou o período do sábado, que na lei mosaica era de descanso total. Segundo o evangelista Marcos, assim que o sol se põe no sábado, o comercio volta funcionar e as mulheres compram os aromas para finalizar o ritual fúnebre.

Ao amanhecer o domingo elas vão com o sol nascente, até o tumulo, onde o Senhor fora sepultado, mas uma grande preocupação tomava conta dos pensamentos daquelas mulheres. O tumulo estava lacrado com uma grande pedra e elas se perguntavam: “Quem vai tirar a pedra? Nós não temos forças para tira-la!”.”. Quantas vezes na tua vida você já se deparou diante de situações assim?

Quantas vezes, diante de um problema, você ficou se perguntando: “E agora? O que vou fazer? Quem irá me ajudar? Eu não tenho forças pra vencer esta luta!”.

As mulheres tinham essa preocupação, mas nem por isso deixaram de ir ao tumulo, nem por isso ficaram paradas esperando que alguém viesse ajuda-las. Não! Elas foram! Acredito que elas se lembraram aqui do povo parado diante do mar vermelho e Deus dizendo a Moisés: “Diga ao povo que marche!”.

Se você quer vencer esta luta, este problema que te aflige, não pare, parta para cima dele, encare os desafios, não há vitória sem luta!

No versículo quatro Marcos escreve que quando elas chegaram ao local e olharam, a pedra já havia sido tirada. A preocupação havia caído por terra. Tudo leva a crer que o anjo que estava ali tirara a pedra. O mesmo vai acontecer com você! Não pare! Não desista! Deus já providenciou quem vai tirar a pedra para você!

A partir de hoje não se preocupe ais com os resultados, mas faça o que estiver ao teu alcance para alcançar resultados cada vez maiores. Não perca tempo se preocupando, use este tempo para continuar tentando, continuar caminhando, pois Deus está cuidando de todos os detalhes da tua vitória, tua parte é só não desistir, pois Ele quer fazer coisas grandes em tua vida!

Este problema que te amedronta não e o que parece ser, ele pode até parecer grande, mas muito maior que este problema é o Deus que você serve e está entrando nesta luta para te dar a vitória! A pedra já foi irada, tome posse da tua vitória!

O senhor quer ouvir a tua voz.

Salmos 18:6 - "Na minha angústia invoquei o Senhor, sim, clamei ao meu Deus; do seu templo ouviu ele a minha voz; o clamor que eu lhe fiz chegou aos seus ouvidos.".

O senhor quer ouvir a tua voz.
Existem algumas coisas que acontecem em nossas vidas que nos marcam, para o salmista o fato de Deus ter ouvido sua voz foi algo que marcou, pois, além de ouvi-lo o Senhor se apressou em entrou com providencias e ajuda-lo na sua necessidade!

Uma história que retrata muito bem este fato é a história de Agar e seu filho Ismael, que se encontra em Gênesis capitulo 21. Uma mulher simples, escrava de Sara e Abraão, que foi obrigada a sua senhora a manter um relacionamento om seu senhor, deste relacionamento ele engravida e nasce um filho chamado Ismael.

Quando nasce o filho, algo que Abraão sempre sonhou em ter ele despreza sua mulher sara e começam as complicações para Agar. Imagine você que a moça não planejou tomar o marido da patroa, não planejou ter um filho e na verdade nem sei se ele queria ter se envolvido com o patrão. Tudo que ela fez foi obrigado pela sua patroa, que partir deste momento começa a persegui-la e maltrata-la.

Talvez a situação que você está e vive nos dias de hoje não seja por culpa tua, talvez as circunstâncias tenham te obrigado a chegar a este ponto e hoje você vive uma vida de humilhação, sofrimento, desgosto, depressão e choro. Deus quer ouvir a tua voz para entrar de uma vez por todas nesta peleja e mudar a tua história para sempre, clame a Ele hoje e se for preciso chorar, chore para Ele, pois Ele está atento ao teu clamor.

Não bastando a humilhação e o sofrimento, ela foi expulsa de casa com seu filho ainda pequeno, levando um pão e um odre de água, seguindo errante deserto a dentro. Não demorou muito tempo para que o pão acabasse e a agua do odre também, a fome e a sede apertam, os dois ficam fracos e o menino é o primeiro a perder as forças.

A mãe que já sobrevivera todo tipo de sofrimento e humilhação agora se vê diante de um filho morrendo de sede no deserto, algo que ela não podia fazer nada para ajudar e que também não podia ver o menino morrer. Ela se afasta entre cem e cento e cinquenta metros e chorando espera que o filho morra para que ela possa enterra-lo.

Uma cena lamentável, uma mãe chorando esperando o filho, que também chorava, viesse a morrer para amenizar o sofrimento. Ela deve ter orado e clamado a Deus para que salvasse seu filho da morte certa, mas chegou um momento que não dava para acreditar mais na salvação do filho.

Nosso Deus é Deus de última hora e no último instante ele manda um anjo dizer para Agar que havia ouvido o choro do menino, Ele não atendeu o clamor da mãe, mas atentou pelo choro do filho e o salvou.

Hoje Deus quer ouvir o teu choro, o teu clamor, não conte apenas com a oração dos outros, mas comece a orar e clamar você também, Ele vai entrar com providencia e te dará a resposta que você precisa.

Deus quer ouvir o seu clamor, Deus quer ouvir a sua oração e se for preciso Ele quer ouvir o seu choro também! Chore pra Ele, clame por Ele e Ele irá mudar tua situação!

Gostaria de entender melhor as escrituras? Gostaria de tirar todas as suas dúvidas respeito da bíblia? A sua resposta está neste link, clique aqui.

Mais Lidos

Guia do pregador Iniciante

Questões Polêmicas da Bíblia

Manual do Pregador

Parceiro

Postagem em destaque

Programa Nova Dimensão. Um programa gospel gratuito para sua rádio

O programa Nova Dimensão é um programa gospel gratuito para sua rádio ou webradio, com duração de apenas uma hora e disponibilizado semanalm...

Seguidores

Mais lidos








CURTA A MINHA PÁGINA NO FACEBOOK